Klabin tem valorização com plano de investimentos de US$ 2 bilhões

ago 23, 2018

Operando com leve valorização de 0,80% a R$ 20,11, a Klabin (SA:KLBN11) tem em pauta um novo ciclo de investimentos de US$ 2 bilhões. A proposta deve ser apresentada para aprovação do Conselho de Administração no início quarto trimestre.

O projeto expansão contempla uma nova linha de celulose integrada a uma máquina de kraftliner e a outra de cartão. A celulose e o papel kraft, destinado principalmente ao mercado externo e usado na confecção de embalagens, começariam a ser produzidos no fim de 2020.

Já a máquina de papel cartão, voltado à embalagem de líquidos e também exportado, entraria em operação dois anos depois.

De acordo com o diretor financeiro e de relações com investidores da companhia, Gustavo Sousa, num primeiro momento, a ideia era usar a celulose branqueada da fábrica de Ortigueira (unidade Puma), que começou a ser produzida em 2016 aproveitando a base florestal existente, para abastecer novas máquinas de papel.

A meta da fabricante de papel e embalagem é entender quem está no fim da cadeia, o consumidor final. Mas a entrada em operação de uma fábrica na China em 2017 e o anúncio de novo projeto, de outra concorrente, para 2019 levaram a companhia a mudar os planos, e iniciar a expansão em papel por kraftliner - cuja demanda é puxada pela China.

Assim, a maior parte da capacidade adicional de kraftliner - 450 mil toneladas por ano - será destinada, sobretudo ao mercado externo, elevando a participação das exportações no resultado.

No primeiro semestre, as vendas externas representaram 48% do volume vendido pela Klabin e 42% da receita líquida.

Para a Mirae Asset, a notícia é positiva, para que a empresa acompanhe o crescimento local e externo. A recomendação segue sendo de compra. A KLBN11 tem um upside de 24% e acumula no ano ala de 16,2% versus alta de 0,7% do Ibovespa. A KLBN11 negocia a um múltiplo EV/Ebitda 2018 de 9,7x e para 2019 de 8,5x.