Ibovespa futuro inicia sessão desta segunda-feira com valorização

nov 05, 2018

Após fechar com ganhos na última sexta-feira, o índice futuro do Ibovespa abre a sessão desta segunda-feira com valorização de 0,28% aos 89.130 pontos, em um cenário marcado por pela expectativa da formação do governo de Jair Bolsonaro e na divulgação de novos balanços corporativos.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo acelerou a alta a 0,48 por cento em outubro depois de ter encerrado setembro com avanço de 0,39 por cento, pressionado pelos preços de alimentos.

Os dados divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) mostraram que o grupo Alimentação exerceu o maior peso sobre o índice do mês, de 0,2946 ponto percentual, depois de acelerar a alta a 1,21 por cento, contra 0,08 por cento em setembro.

O mercado deve ficar atento aos balanços da semana, com destaque para os números da Magazine Luiza (SA:MGLU3), Petrobras (SA:PETR4), TIM, Carrefour (SA:CRFB3), Cosan (SA:CSAN3), Gerdau (SA:GGBR4), CSN (SA:CSNA3), Ultrapar (SA:UGPA3), B3, Banco do Brasil (SA:BBAS3), BRF (SA:BRFS3), entre outras.

Nos Estados Unidos, o mercado segue atento à uma agenda econômica fraca, mas tendo como grande destaque a decisão da reunião do Fomc, com data de divulgação da na quinta-feira dia 8 de novembro.

Bolsas Internacionais

Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 1,55 por cento, a 21.898 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 2,08 por cento, a 25.934 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,41 por cento, a 2.665 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,83 por cento, a 3.262 pontos.

Na Europa, com os mercados abertos, o dia sinaliza ser levemente positivo na maior parte das praças. Em Frankfurt, o DAX aponta para ganhos de 0,22% aos 11.543,95 pontos, enquanto que em Londres, o FTSE opera estável aos 7.493,78 pontos. Já em Paris, o CAC soma 0,13% aos 5.108,06 pontos.

Commodities

A sessão desta segunda-feira na bolsa de mercadorias de Dalian, na China, foi marcada pela valorização dos contratos futuros do minério de ferro. O ativo de maior liquidez, com data de entrega em janeiro de 2019, os ganhos foram de 0,98%, ou 5,00 iuanes, para um total de 516,00 iuanes por tonelada do produto.

Para o vergalhão de aço, com os papéis transacionados na também chinesa bolsa de mercadorias da Xangai, o dia foi positivo para a maior parte dos ativos. O contrato de maior volume de negócios, para o mês de janeiro do ano que vem, os ganhos foram de 22 iuanes para 4.072 iuanes por tonelada. Já o de maio de 2019, a valorização foi de 34 iuanes para 3.693 iuanes por tonelada.

Por outro lado, o dia é negativo para os preços internacionais do petróleo. O barril do tipo WTI, negociado em Nova York, perde 0,43%, ou US$ 0,27, a US$ 62,87. Já o Brent, referência de Londres, cai 0,23%, ou US$ 0,17, a US$ 72,66.

Mercado Corporativo

A ANP colocará em consulta pública uma proposta de resolução que permite a utilização de mecanismos como Reserve Based Lending (RBL) entre as garantias que podem ser oferecidas por empresas de petróleo e gás nas operações de cessão de direitos em contratos de exploração e produção.

A consulta se estenderá até 5 de dezembro, e a audiência pública sobre o tema será realizada no dia 11 do mesmo mês, informou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis em comunicado nesta quinta-feira.

O RBL, que consiste na utilização de reservas como garantia para empréstimos bancários, é adotado em outros países como opção de financiamento para ativos na fase de produção ou para ativos cuja produção se inicie em breve.

A Cosan anunciou nesta quinta-feira que decidiu cancelar a operação de incorporação da Cosan Logística (SA:RLOG3) após "preocupações demonstradas" por acionistas e investidores, conforme fato relevante divulgado ao mercado.

A operação, justificada pela empresa para simplificar e otimizar a estrutura societária do grupo, bem como reduzir custos, fora anunciada em 24 de outubro. À época, a companhia disse que pretendia implementar a mudança em até 12 meses.

"Após a divulgação do fato relevante, a diretoria da companhia recebeu diversos questionamentos de acionistas e investidores quanto à extensão e efetividade da simplificação proposta. Em atenção às preocupações demonstradas, o grupo decidiu cancelar a operação anunciada", afirmou a Cosan no comunicado assinado pelo diretor Financeiro e de Relações com Investidores, Marcelo Martins.

A Cemig (SA:CMIG4) concluiu as operações de alienação de ativos de telecomunicações, parte de um plano de desinvestimentos da elétrica, arrecadando um total de 654,5 milhões de reais com as vendas, informou a companhia nesta quinta-feira em fato relevante.

Do valor total, 575,9 milhões de reais serão recebidos da American Tower, vencedora do primeiro lote do certame feito pela elétrica, e 78,5 milhões serão pagos pela Algar Soluções, ganhadora do segundo.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu aval para a venda dos ativos para a American Tower em meados de setembro e aprovou sem restrições a aquisição feita pela Algar no começo de outubro.

A Mercado Livre vai ampliar o catálogo de produtos financeiros a pessoas e pequenas empresas após ter recebido aval para atuar como instituição de pagamentos, à medida que sua unidade Mercado Pago ganha crescente relevância nos resultados do grupo.

Com a licença recebida do Banco Central nesta quinta-feira, o maior grupo de comércio eletrônico da América Latina passará a oferecer diretamente serviços como empréstimos, que hoje faz por meio de instituições financeiras, disse à Reuters o vice-presidente de operações da empresa, Stelleo Tolda.

"Poderemos, por exemplo, ter uma conta com remuneração financeira, como já fazemos na Argentina", disse Tolda, citando também empréstimos a pequenos lojistas e a pessoas físicas. A conta permite ainda serviços como pagamento de boletos, carregar bilhetes de vale-transporte, e créditos para celulares pré-pagos e envio de recursos para terceiros.

A Energisa (SA:ENGI4), que venceu o leilão de privatização das distribuidoras da Eletrobras (SA:ELET3), no Acre e em Rondônia, avalia que as empresas estão "sucateadas" e exigirão cerca de três anos de trabalho para serem levadas à "normalidade", disse à Reuters o presidente da companhia, Ricardo Botelho.

A empresa assumiu na terça-feira as operações da Ceron, em Rondônia, enquanto a transferência do controle da Eletroacre é esperada até dezembro. As elétricas foram vendidas pela Eletrobras em meio a um plano de reestruturação que passa pela total saída da estatal do setor de distribuição, onde acumulou perdas bilionárias nos últimos anos.

A Energisa pagou pela Ceron e pela Eletroacre um total de apenas cerca de 100 mil reais, mas as regras da licitação das companhias preveem obrigações de aportes milionários e a transferência de parte do endividamento para o comprador.

Agenda de Autoridades

A semana do presidente Michel Temer tem início com apenas uma reunião com o deputado Antônio Imbassahy (PSDB/BA), passando o resto do dia dedicado a despachos internos.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, se reúne na manhã desta segunda-feira com o governador eleito de São Paulo, João Dória (PSDB). De noite, participa do programa Roda Viva.

Com Reuters.