Skip to main content

PACOTE DEFINITIVO
para investidores e traders!

  • Ações que valem até US$ 200
  • US$ 10 para negociar cripto
  • Status Gold no seu primeiro mês\
  • Acesso à educação
  • Acesso a ideias de investimento
free shares promotion
eurusd-parity

Euro e dólar americano atingem paridade pela primeira vez em duas décadas

Sex, 2022-07-15 22:19

Parecia quase certo que um euro sempre valeria pelo menos US$ 1,10. De fato, de 2007 a 2014, a moeda única teve uma média de cerca de US$ 1,40 e até parecia que atingiria US$ 1,60 após a crise financeira global de 2007-2008. Como o todo-poderoso caiu desde então! Pois é. Pela primeira vez em vinte longos anos, o euro e o dólar americano estão em paridade. Mas a questão continua: como chegamos aqui e o que isso significa para os traders e investidores?

Por que o euro?

Muitos apontaram a pandemia como o catalisador por trás da desaceleração do euro e, embora certamente tenha desempenhado um papel na precipitação dessa última etapa até a paridade, a desvalorização já havia se estabelecido muito antes. A pandemia do coronavírus, as inevitáveis ​​rupturas na cadeia de abastecimento e a política monetária branda que isso gerou certamente atiçaram as chamas da inflação. E em um mundo de commodities denominadas em dólares, isso naturalmente levou à depreciação do euro. Mas a pandemia foi o Cavalo de Troia global que afetou praticamente todos os países e moedas do mundo, então por que o euro foi mais atingido que o resto? A resposta breve é: ele não foi. O iene japonês sofreu tanto quanto a libra esterlina, com todas as três moedas caindo mais de 12% no acumulado do ano.

Causa e efeito

Agora que estabelecemos que não é tanto um problema do euro, mas sim um problema de qualquer moeda que não seja o dólar, podemos começar a examinar adequadamente os porquês. O verdadeiro ponto de virada para a maioria das principais moedas foi 2014. O dano dessa tendência de baixa de oito anos agora está perto de um rebaixamento de 30% e não há sinal de reversão tão cedo. 

E, como de costume, as políticas do banco central desempenharam um papel importante. Enquanto a Reserva Federal dos EUA manteve sua taxa de fundos acima de zero ao longo da última década, o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco do Japão (BoJ) estiveram em território negativo por vários anos. Obviamente, isso dificulta a reação eficaz a uma crise como a pandemia e limita possíveis medidas de estímulo, além de complicar a normalização das políticas posteriormente. Enquanto a Fed e o Banco da Inglaterra conseguiram aumentar as taxas de juros para 1,75% e 1,25%, respectivamente, o BoJ e o BCE ainda estão presos abaixo de 0%, com a inflação galopante.

A recessão global ameaça

Com toda essa conversa sobre os ganhos do dólar, é fácil perder de vista o fato de que isso é tão ruim para os EUA quanto para a UE. Um dólar americano forte significa que as exportações dos EUA estão mais caras e, portanto, menos competitivas. Falar em países europeus trocando fornecedores de gás pelo Henry Hub, por exemplo, é completamente sem sentido, pois essa opção, que já era cara, é agora 12-15% mais cara. Em meio a uma crescente crise energética, os combustíveis fósseis em geral ficaram muito mais caros, já que o petróleo, independentemente de sua origem, é negociado em dólares americanos. 

Isso, por sua vez, aumentará ainda mais a pressão sobre a indústria europeia no pior momento possível. De fato, a maior economia da zona do euro, a Alemanha, registrou seu primeiro déficit comercial de mercadorias desde 1991. À medida que o aperto monetário continua, o que simplesmente deve acontecer, cresce o risco de os EUA e a Europa entrarem em recessão.

Então, onde está o dinheiro inteligente?

Basicamente, em qualquer lugar, menos no euro e no iene japonês. Realmente, a migração para moedas de refúgio como o dólar americano e o franco suíço já está em andamento e só parece se intensificar à medida que os aumentos das taxas continuam acontecendo. De fato, em uma nota na semana passada, o chefe global de pesquisa FX do Deutsche, George Saravelos, alertou os investidores que a fuga para o dólar pode se tornar ainda mais extrema se a Fed continuar a apertar, empurrando ainda mais os EUA e a zona do euro para a recessão.

Pode-se imaginar que as ações devem levar uma surra nesse cenário, embora tenham conseguido desafiar as expectativas dos analistas até agora, com toda a sabedoria convencional contrariando as recentes altas do mercado. Além do dólar, no entanto, outros grandes beneficiários do capital que flui de moedas e outros ativos de risco teriam que ser o ouro e a prata. O metal amarelo já subiu 12% no acumulado do ano e pode ser uma excelente cobertura contra uma inflação maior.

Negocie os altos e baixos com a Libertex

A Libertex conecta pessoas comuns com os mercados financeiros há um quarto de século e oferece uma ampla variedade de CFDs, desde Forex, commodities e ações até ETFs e criptomoedas. Além do par EUR/USD e do Índice do dólar americano, também oferecemos a capacidade de negociar ativos subjacentes como ouro,  prata e petróleo/gás. E como a Libertex permite posições longas e curtas, você pode abrir uma negociação dependendo de para onde você achar que o mercado está indo.

Experimente a emoção do trading!

Registre-se numa conta demo com a Libertex e aprenda a negociar