Petróleo fecha com ganhos após forte queda nos estoques dos EUA

jun 20, 2018

Investing.com - Os preços do petróleo fecharam no positivo nesta quarta-feira com dados mostrando um grande recuo nos estoques dos EUA pela segunda semana consecutiva e as expectativas dos investidores de que grandes produtores de petróleo possam optar nesta semana por uma alta de oferta mais modesta na revisão do acordo de corte de produção.

Na Bolsa Mercantil de Nova York, o contrato futuro do WTI para entrega em julho subiu 1,8%, para US$ 66,22 por barril, enquanto na Bolsa Intercontinental de Londres, o Brent cedeu 0,75%, para encerrar a sessão vendido a US$ 74,52 por barril.

Os estoques de petróleo bruto dos EUA caíram 5,914 milhões de barris para a semana encerrada em 15 de junho, superando as expectativas de uma redução de 2,1 milhões de barris, de acordo com dados da Energy Information Administration (EIA).

As refinarias do país aumentaram a demanda pela commodity e processaram 17,7 milhões de barris por dia na semana passada. O otimismo, contudo, foi contido por um aumento nos estoques de combustíveis.

Os estoques de gasolina subiram 3,277 milhões de barris, contrariando as expectativas de uma elevação de apenas 0,188 milhão de barris, enquanto os estoques de outros óleos combustíveis surpreendeu ao aumentar 2,715 milhões de barris, quando o mercado projetava redução de 0,164 milhão de barris.

A produção de petróleo dos EUA, enquanto isso, permaneceu em um recorde de 10,9 milhões de bpd, depois de subir 100 mil barris por dia na semana anterior, de acordo com o EIA. Isso deixa os EUA firmemente posicionados como o segundo maior produtor de petróleo, atrás da Rússia.

O relatório chegou em meio a comentários do ministro iraniano do Petróleo, Bijan Zanganeh, que sinalizou que pode estar aberto a um aumento modesto na produção.

Ele disse que os membros da Opep que cortaram a produção além de suas cotas acordadas deveriam retornar às suas cotas, aliviando temores de que grandes produtores de petróleo como a Arábia Saudita aumentariam a produção agressivamente.

O acordo de corte de produção de 1,8 milhão de barris por dia da Opep e seus aliados deverá ser revisto na reunião dessa semana. Espera-se os produtores aponte para um aumento da oferta global.