Moedas - Dólar amplia rali em meio a risco geopolítico mais alto

mai 08, 2018

Investing.com - O dólar norte-americano chegava à máxima de 2018 nesta terça-feira em meio a um aumento do risco geopolítico antes do anúncio do futuro do acordo nuclear com o Irã e depois de um sinal agressivo do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, avançava 0,53% para 93,10 às 11h21, nível mais alto desde meados de dezembro.

A demanda pelo dólar se sustentava uma vez que investidores permaneciam cautelosos antes do anúncio do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre o futuro do acordo nuclear internacional com o Irã, que ele tem repetidamente ameaçado se retirar.

A moeda norte-americana recebeu um impulso adicional após Jerome Powell, presidente do Fed, ter advertido em um discurso em Zurique que os mercados não deveriam se surpreender com o aperto na política monetária.

O aumento dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA e dados econômicos sólidos impulsionaram o dólar nas últimas semanas, reforçando as expectativas de um ritmo constante de aumento da taxa de juros pelo Federal Reserve neste ano.

O banco central projetou mais dois aumentos para o ano, mas alguns investidores esperam mais três.

A força do dólar pressionava o euro, com o par EUR/USD recuando 0,64% para 1,1846, nível não visto desde 22 de dezembro.

O euro não conseguia encontrar muita sustentação após dados terem mostrado que a produção industrial alemã cresceu mais do que o esperado em março. O relatório ajudou a diminuir as preocupações de que a maior economia da área do euro estaria enfrentando obstáculos devido ao crescente protecionismo.

Dados divulgados na segunda-feira mostraram que as encomendas à indústria da Alemanha caíram pelo terceiro mês consecutivo em março.

Um recente lote fraco de dados econômicos deu origem a especulações de que o Banco Central Europeu poderia não ser capaz de encerrar seu programa de estímulo à compra de ativos em setembro, como alguns investidores esperavam.

A libra também estava mais fraca, com o par GBP/USD recuando 0,49%, para 1,3488, mínima de quatro meses.

Os ganhos do dólar frente ao iene, considerado porto seguro, permaneciam limitados, com o par USD/JPY avançando 0,12% para 109,21.

As moedas ligadas a commodities estavam pressionadas para baixo, com a cotação do petróleo recuando da máxima de vários anos antes do anúncio sobre o Irã. Caso Trump retire os EUA do acordo, as exportações de petróleo iraniano podem ser abaladas, o que reduziria os estoques no mercado de petróleo.

O dólar canadense caia à mínima de sete semanas, com o par USD/CAD avançando 0,72%, para 1,2974.

O dólar australiano chegava à nova mínima de onze meses, com o par AUD/USD recuando 1,00%, para 0,7439, enquanto o dólar neozelandês atingia mínima não vista desde dezembro, com o par NZD/USD caindo 0,81%, negociado a 0,6957.