Ibovespa futuro inicia sessão desta quinta-feira com valorização

nov 01, 2018

O índice futuro do Ibovespa, depois de fechar a sessão de ontem com leve alta, inicia a quinta-feira com ganhos de 0,57% aos 8.422 pontos, seguindo a tendência das bolsas internacionais e também de olho nos balanços trimestrais.

Por aqui, a véspera do feriado de Finados deve ser mais uma vez marcada pela reação do mercado aos balanços corporativos e também a construção da equipe do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Em setembro de 2018, a produção industrial nacional recuou (-1,8%) frente a agosto (série com ajuste sazonal), terceira taxa negativa seguida e acumulando nesse período redução de 2,7%. No confronto com setembro de 2017 (série sem ajuste sazonal), a indústria caiu 2,0%, primeiro resultado negativo nesta comparação, após três altas consecutivas.

O Banco Central manteve nesta quarta-feira a taxa de juros no seu piso histórico, de 6,5 por cento ao ano, e ponderou que houve alguma melhora em seu balanço de riscos, corroborando apostas no mercado de que não subirá a Selic tão cedo, embora tenha mantido a porta aberta para fazê-lo se houver piora no quadro inflacionário.

Nos Estados Unidos, o destaque da agenda econômica do dia fica para números dos pedidos de auxílio-desemprego e, também, para os dados o PMI Industrial do país.

Bolsas Internacionais

Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 1,06 por cento, a 21.687 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 1,75 por cento, a 25.416 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,13 por cento, a 2.606 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 0,74 por cento, a 3.177 pontos.

Na Europa, com os mercados em operação, o dia sinaliza ser positivo. Em Frankfurt, o DAX tem alta de 0,98% aos 11.559,22 pontos, enquanto que em Londres, o FTSE soma 0,49% aos 7.162,75 pontos. Já em Paris, o CAC tem valorização de 0,49% aos 5.118,31 pontos.

Commodities

A sessão desta quinta-feira foi marcada pela importante desvalorização dos contratos futuros do minério de ferro, negociados na bolsa de mercadorias de Dalian, na China. O ativo de maior liquidez, com data de vencimento no próximo mês de janeiro, teve perdas de 2,53% a 519,50 iuanes por tonelada, representando queda de 13,50 iuanes.

No caso do vergalhão de aço, a sessão também foi negativa na também chinesa bolsa de mercadorias de Xangai. Os contratos com entrega em janeiro de 2019 tiveram desvalorização de 78 iuanes, a 4.057 iuanes por tonelada. Já o segundo ativo com maior volume, de maio do ano que vem, perdeu 75 iuanes a 3.656 iuanes por tonelada.

O dia também é negativo para os preços internacionais do petróleo. O barril do tipo WTI, negociado em Nova York, tem perdas de 0,52%, ou US$ 0,34, a US$ 64,97. Já o Brent, de Londres, recua 1,33%, ou US$ 1,00, a US$ 74,47.

Mercado Corporativo

O Bradesco (SA:BBDC4) registrou um aumento de 13,7 por cento no lucro do terceiro trimestre sobre o mesmo período do ano anterior, informou nesta quinta-feira o segundo maior banco privado do país, mas o resultado ficou um pouco abaixo da estimativa de analistas.

O lucro líquido recorrente no Banco Brades somou 5,471 bilhões de reais no terceiro trimestre, 0,7 por cento menor que a estimativa média de analistas ouvidos pela Refinai de 5,508 bilhões de reais.

A Lojas Americanas (SA:LAME4) teve lucro líquido de 61,4 milhões de reais no terceiro trimestre, superando em 165,8 por cento o desempenho apurado um ano atrás, conforme o avanço da receita mais que compensou as despesas um pouco maiores no período, de acordo com balanço divulgado na noite desta quarta-feira.

Em termos consolidados, o resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado foi de 630,5 milhões de reais, um aumento de 9,4 por cento ante o terceiro trimestre de 2017, com a margem Ebitda ajustada subindo 0,4 ponto percentual, para 16 por cento.

Considerando apenas a controladora, o Ebitda ajustado subiu 9,1 por cento na mesma comparação, para 514,1 milhões de reais.

A Lojas Americanas teve receita líquida consolidada de 3,93 bilhões de reais no trimestre, 6,2 por cento maior ano a ano.

EDP (SA:ENBR3) Energias do Brasil, do grupo português EDP, teve lucro líquido de 306,9 milhões de reais no terceiro trimestre, salto de 119,1 por cento sobre um ano antes, refletindo ganho de mercado e menores perdas nas distribuidoras de energia e um avanço nas operações de comercialização.

A empresa, com negócios em geração, transmissão, distribuição e venda de energia, teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 679,6 milhões no período, avanço de 23,2 por cento na comparação anual.

A receita líquida no período somou 3,8 bilhões de reais, com elevação de 14,9 por cento ante o terceiro trimestre de 2017.

O grupo de comércio eletrônico B2W Digital (SA:BTOW3) teve prejuízo líquido de 105,8 milhões de reais no terceiro trimestre, após resultado também negativo de 88 milhões de reais um ano antes, com alta de despesas com vendas e administrativas mais que ofuscando um crescimento da receita.

O desempenho operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado subiu 10,8 por cento ano a ano, para 116,6 milhões de reais, com a margem Ebitda ajustada subindo 0,7 ponto percentual, a 7,5 por cento.

A B2W, que opera sob as marcas Submarino, Americanas.com, Sou Barato e Shoptime, obteve uma receita líquida de cerca de 1,56 bilhões de reais entre julho e setembro, superando em apenas 1,1 por cento o montante apurado um ano antes.

As vendas de gasolina C em setembro no Brasil recuaram 17,37 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado, para 2,89 milhões de metros cúbicos, o menor nível dos últimos cinco anos pelo sexto mês consecutivo, em meio a um aumento dos preços do combustível, informaram dados oficiais nesta quarta-feira.

O volume também foi 9,51 por cento menor que o registrado em agosto, conforme boletim mensal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo dados da ANP, a gasolina registrou em setembro recorde de preços, sem considerar a inflação, devido a indicadores internacionais como o petróleo Brent e o comportamento do dólar.

A Engie Brasil teve lucro de 475,4 milhões de reais no terceiro trimestre, montante 33 por cento maior do que um ano antes, com aumento nos volumes e preços de vendas de energia e a incorporação de novas usinas de geração ao portfólio.

A empresa, controlada pelo grupo francês Engie, teve lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de quase 1,02 bilhão, ou 43,5 por cento a mais que no mesmo período de 2017, segundo comunicado desta quarta-feira.

A receita operacional líquida da empresa avançou 50,4 por cento na comparação anual, para 2,49 bilhões de reais, ajudada pela elevação média de 2,7 por cento nos preços da energia vendida, além do aumento de 13,2 por cento em volume.

A Petrobras (SA:PETR4) informou que realizou o pré-pagamento de uma dívida de 1 bilhão de dólares junto ao Banco Santander (SA:SANB11) que venceria em 2023 e, simultaneamente, assinou nova linha de crédito com a instituição no valor de 750 milhões de dólares, com vencimento em outubro de 2028.

A petroleira disse que a nova operação tem "custos financeiros mais competitivos" e que o movimento faz parte de sua estratégia de gerenciamento de passivos para melhorar o perfil de amortização e reduzir o custo da dívida, levando em consideração suas metas de desalavancagem.

A Petrobras assinou nesta quarta-feira acordo para venda de sua participação de 50 por cento na joint-venture holandesa Petrobras Oil & Gas (PO&GBV), que detém ativos na Nigéria, por um valor total de até 1,53 bilhão de dólares.

A participação foi vendida para a Petrovida Holding, que tem como sócios Vitol Investment Partnership II, Africa Oil Corp e Delonex Energy.

Os outros 50 por cento do ativo pertencem ao BTG Pactual (SA:SA:BPAC11) E&P, que informou ao mercado também nesta quarta-feira que irá manter a sua participação.

Agenda de Autoridades

O presidente Michel Temer tem com único compromisso oficial, nesta quinta-feira, uma reunião com Márcio Novaes, Presidente da Associação Brasileira de Rádio e Televisão – ABRATEL.

A agenda do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, terá apenas uma reunião com o ministro da Transparência e Corregedoria-Geral da União, Wagner do Rosário.