Energisa opera em queda; venda de energia em agosto teve 2,7%

set 25, 2018

Em dia negativo para boa parte do mercado brasileiro de ações, a Energisa (SA:ENGI4) opera em queda de 1,15% a R$ 30,84. Ontem, ao final da sessão, a companhia informou que o consumo de energia elétrica nos mercados em que atua somou 2.490,3 GWh, em agosto. O montante representa alta de 2,7% e foi impulsionado pelas vendas de energia nas regiões Norte e Nordeste.

Considerando o fornecimento não faturado, o consumo consolidado foi 2.537,5 GWh, o que significa aumento de 4,9% na mesma base de comparação. Segundo a Energisa, os melhores aumentos do consumo cativo e livre foram registrados nas áreas de concessão da ETO (+6,8%), EBO (+6,2%), EPB (+5,3%) e ESE (+4,2%).

No caso da concessão da ETO, no Norte, o avanço do consumo foi o segundo maior registrado no ano, com destaque para a demanda de energia das indústrias, que avançou 15,7% em relação ao mesmo mês do ano passado, favorecida pelos setores de fertilizantes, cimento e calcário agrícola.

A classe residencial em Tocantins também contribuiu para esse desempenho, com crescimento de 6,8% no consumo. Já no Nordeste, o consumo da classe industrial, especificamente nas concessões da EBO (+15,9%) e EPB (+11,0%), foi favorecido pelos segmentos de calçados e minerais não metálicos.

Cade

A aquisição pela elétrica Energisa da Ceron, distribuidora de energia da Eletrobras (SA:ELET3) em Rondônia, foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), segundo despacho do órgão de defesa da concorrência no Diário Oficial da União desta terça-feira.

A Energisa arrematou a Ceron em leilão de privatização realizado pela Eletrobras em 30 de agosto, no qual venceu também a disputa pela concessionária de distribuição da estatal no Acre, conhecida como Eletroacre.

Ao analisar a transação, o Cade avaliou que mesmo se considerada a compra da Eletroacre a Energisa ainda teria uma participação no mercado de distribuição de energia elétrica brasileiro "bem abaixo do limite do limite de 20 por cento estabelecido pela legislação vigente e pelo Guia de Análise de Atos de Concentração Horizontal do Cade".

Com Reuters.