CVC avança mais de 2% com queda do dólar e prévia trimestral positiva

out 05, 2018

As ações da CVC iniciam a sessão desta sexta-feira com ganhos de 2,69% a R$ 47,03, como pano de fundo o anuncio que as reservas confirmas no terceiro trimestre somaram R$ 3,48 bilhões Em totais, o número representa um aumento de 30,8% ante mesma etapa de 2017. Na comparação proforma, que desconsidera eventos não recorrentes, o aumento foi de 10,8%, também ano a ano.

Para a equipe do BTG Pactual (SA:BPAC11), apesar da elevada volatilidade cambial e das continuas lutas econômicas no Brasil, com a confiança do consumidor e intenções de compras baixas, o segmento de atividade CVC deve permitir um desempenho melhor, assim como período anterior à recessão de 2015-16.

Além disso, para os analistas, as sinergias com empresas adquiridas recentemente devem ajudar a CVC a melhorar suas margens nos próximos anos e a sustentar o já alto, e acima da média, ROCI de sua operação.

O relatório do BTG foi assinado pelos analistas Fabio Monteiro e Luiz Guanais, e foi enviado para clientes nesta sexta-feira. O banco de investimentos tem recomendação de compra para os ativos da CVC, com preço-alvo a R$ 60,00 em 12 meses, potencial de upside de 33%.

Para a Suno Research, os números levam ao entendimento de que a CVC é uma companhia que soube sobressair de maneira bastante profissional e positiva diante do cenário econômico desafiador que o Brasil vem atravessando nos últimos anos.

A equipe de analistas informa que gosta muito da empresa e de seu time comercial, o qual considera ser bem forte e eficiente e, caso ocorra uma queda mais representativa no preço de suas ações CVCB3 (SA:CVCB3), existe a possibilidade de indicar a associação com a companhia, que demonstrou ter um modelo de negócios sustentável e que soube se sobressair num cenário de crise bastante turbulento.

Felipe Bevilacqua, analista da Levante Ideias, destaca quem mesmo num cenário de incerteza econômica, com poder de compra e confiança do consumidor represados, a CVC se destaca pela qualidade de execução, desempenho das vendas on-line e bom retorno sobre o capital.

“A empresa apresenta bom desempenho nos dois cenários de taxa de câmbio: o turista vai para Miami com o dólar em baixa e viaja para o Nordeste brasileiro com o dólar em alta”, completa Bevilacqua em nota enviada a clientes nesta sexta-feira.