Cotação do petróleo tem leve queda, mas permanece perto de altas de 4 anos

out 02, 2018

As cotações do petróleo diminuíam nesta terça-feira, mas permaneciam próximos aos seus níveis mais altos em quatro anos, em meio a temores de uma escassez global de oferta, já que os EUA prepara-se para voltar a impor sanções ao Irã a partir do dia 4 de novembro.

Os preços do petróleo bruto foram negociados a US$ 75,16 às 10h53, depois de terem atingido a alta de US$ 75,91, a maior desde novembro de 2014. O preço subiu 2,76% na sessão anterior.

Os contratos futuros de petróleo bruto Brent negociados em Londres caíam 0,29%, para US$ 84,72 o barril em relação ao seu último fechamento, não muito longe das altas de segunda-feira de US$ 85,45, que também atingiram o pico de quatro anos.

A iminente perda de oferta do Irã fez com que os preços do petróleo subissem, e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e membros não membros da OPEP, incluindo a Rússia, tem pouca capacidade ociosa para impulsionar a produção, a fim de compensar a queda da oferta global.

O Irã é o quarto maior produtor mundial de petróleo e o terceiro maior exportador da OPEP. Muitos analistas avaliam que o Brent possivelmente poderá estar custando US$ 100 até o final do ano ou no início de 2019.

O presidente americano Donald Trump criticou a OPEP e sua recusa em aumentar a produção de petróleo, dizendo à ONU, na semana passada, que os membros da OPEP estavam "saqueando o resto do mundo".

Trump também pediu que outros países ajudem a pressionar o regime de Teerã, cortando as importações de petróleo do Irã.

O Instituto Americano de Petróleo deverá divulgar seu relatório semanal referente aos estoques às 00h30 de quarta-feira. Os estoques chegaram a cerca de 2,9 milhões na semana passada.