BB-BI eleva preço-alvo da CSN para R$ 10 e mantém recomendação market perform

ago 09, 2018

Após a divulgação do resultado da CSN (SA:CSNA3) do segundo trimestre do ano, o Banco do Brasil (SA:BBAS3) Investimentos (BB-BI) anunciou a revisão do preço-alvo dos ativos da siderúrgicas de R$ 8,50 para R$ 10,00, com a manutenção da recomendação market perform.

A justificativa dos analistas do banco está baseada na alta alavancagem, aumento das ameaças no cenário internacional, maiores incertezas com a chegada do período eleitoral, parcialmente compensado por melhores condições de mercado no Brasil, a capacidade da companhia de implementar os aumentos de preços anunciados.

As estimativas já consideram os maiores preços realizados para o aço e os efeitos da venda da LLC. Our WACC ficou em 12,8%.

Dentre os riscos que podem afetar a tese de investimentos, o BB-BI destaca uma retomada mais lenta que a esperada da economia brasileira, desaceleração da economia chinesa, que poderia reduzir o consumo de aço e alavancar as exportações, retrazendo a ameaça de excesso de oferta no mundo, queda nos preços de MF que poderiam afetar as receitas de mineração, falha ao renegociar a rolagem das dívidas remanescentes com seus credores, afetando seu fluxo de caixa e falha em efetivar seu plano de desinvestimentos.

A CSN divulgou seus resultados do segundo trimestre, com desempenho positivo, com um EBITDA ajustado de R$ 1.420 mm, em linha com as estimativas do BB-BI e 14% acima do consenso de mercado.

Os resultados foram positivamente afetados pela melhora de mercado, a qual levou a maiores preços realizados no período, juntamente com melhores volumes vendidos em todos os segmentos.

Embora os custos tenham sido afetados pela greve dos caminhoneiros em maio, o crescimento nas receitas mais que compensou e, no trimestre, vimos desempenho positivo tanto na comparação trimestral quanto anual. Houve também o efeito positivo da venda da CSN LLC no caixa da companhia, contribuindo para melhores resultados líquidos t/t e a/a.