Sanepar sobe mais de 2% após divulgação de balanço; eleição estadual preocupa

ago 08, 2018

As units da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar (SA:SAPR4)) operam com valorização de 2,20% a R$ 45,62, após a companha divulgar balanço do segundo trimestre. Os números ficaram perto do esperado pelo mercado e os analistas apontam como fator de incerteza para o papel a eleição do estado do Paraná.

Na visão da Mirae Asset, o resultado foi ligeiramente acima da expectativa e foi bom. A recomendação continua sendo de compra, com potencial de valorização de 105%. As units são negociadas a um múltiplo EV/Ebitda de 4,5x parta 2018 e de 4,0x para 2019. A ação tem um bom potencial de valorização e o que está segurando é a indefinição política em relação ao futuro governador do Paraná.

Analistas do Bradesco BBI liderados por Francisco Navarrete afirmaram que os números ficaram em linha com as suas expectativas, citando que a queda nas despesas com folha de pagamento mostrou disciplina nos custos, "permitindo à Sanepar entregar resultados sólidos no segundo trimestre"

Já para a equipe do BTG Pactual (SA:BPAC11), o resultado veio em linha com o consenso. Os analistas enxergam o papel negociando a múltiplos baratos, porém eleição no estado do Paraná continua a preocupar.

Resultado

A Sanepar divulgou o resultado do segundo trimestre. A receita líquida aumentou 12,2% em relação ao 2T17 e foi de R$ 1,019 bilhão, sendo impactada pelo Reajuste Tarifário Anual – IRT de 5,12% que começou a vigorar em 17/05/2018, da ampliação dos serviços de água e esgoto e do aumento no número de ligações. O número de ligações de esgoto de 2.079.427 em junho de 2018 é 4,3% superior ao número de ligações (1.994.218) existentes em junho de 2017, representando acréscimo de 85.209 novas ligações de esgoto.

No segundo trimestre, o volume medido de água tratada foi de 124,4 milhões de m3 contra 119,6 milhões de m3 no 2T17, representando um crescimento de 4,0%. No 2T18, o volume faturado de água tratada foi de 129,4 milhões de m3, contra 139,2 milhões de m3 no 2T17, representando uma redução de 7,0%, reflexo da alteração da estrutura tarifária da Companhia, com modificações das faixas de consumo e principalmente pela alteração da tarifa mínima, passando de 10m3 para 5m3. O Ebitda no 2T18, que representa o resultado operacional da Companhia, foi de R$ 400,1 milhões, contra R$ 320,4 milhões no 2T17, devido principalmente crescimento da receita operacional.

A margem EBITDA passou de 35,3% para 39,2%. O índice de alavancagem, medido pela relação Dívida Líquida/EBITDA (acumulado 12 meses) diminuiu 5,6%, passando de 1,8x para 1,7x nos 6M17 e 6M18, O lucro líquido ficou em R$ 253,6 milhões, com aumento de 28,9% em relação ao 2T17 e foi consequência dos pontos acima comentados.