Petróleo WTI passa de US$ 71 após redução de 2,2 milhões de barris nos estoques

mai 09, 2018

Investing.com - A cotação do petróleo registrava ganhos sólidos nesta quarta-feira, atingindo nova máxima de três anos e meio após dados mostrarem que os estoques de petróleo norte-americanos tiveram redução maior do que se esperava na semana passada.

Contratos futuros de petróleo bruto WTI tinham ganhos de US$ 2,03, ou cerca de 2,9%, e eram negociados a US$ 71,09 o barril às 11h35. Os preços estavam em torno de US$ 70,94 antes da divulgação dos dados dos estoques.

A referência norte-americana atingiu a máxima de US$ 71,28 mais cedo, nível não visto desde novembro de 2014.

Além disso, contratos futuros de petróleo Brent, referência para preços do petróleo fora dos EUA, avançavam US$ 2,40, ou cerca de 3,2%, para US$ 77,25 o barril após terem atingido, ainda durante a sessão, US$ 77,42, também valor mais alto desde o final de 2014.

A Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês) afirmou em seu relatório semanal que os estoques de petróleo bruto tiveram redução de 2,2 milhões de barris na semana que se encerrou em 4 de maio.

Isso se compara às expectativas dos analistas de que os estoques de petróleo bruto tivessem redução de 200.000 barris, ao passo que o Instituto Americano de Petróleo informou na terça-feira uma diminuição de 1,9 milhão de barris no abastecimento.

O total dos estoques de petróleo bruto nos EUA ficou em 433,8 milhões de barris na semana passada, o que a EIA considera estar na metade inferior da faixa média para esta altura do ano.

A produção doméstica de petróleo, guiada pela extração de shale oil, chegou à máxima histórica de 10,70 milhões de barris por dia na semana passada. Apenas a Rússia atualmente tem produção maior, com 11 milhões de barris por dia.

O relatório também mostrou que os estoques de gasolina tiveram redução de 2,2 milhões de barris, em comparação a expectativas de uma redução de 450.000 barris. No caso de estoques de destilados, incluindo diesel, a EIA relatou uma redução de 3,8 milhões de barris.

A cotação do petróleo já tinha sustentação após Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, ter se retirado do acordo nuclear internacional com o Irã, aumentando o risco de conflito no Oriente Médio e gerando incertezas sobre a oferta global de petróleo.

Alguns analistas disseram que o restabelecimento de sanções poderia levar a um fornecimento mundial mais reduzido de petróleo, uma vez que dificulta a exportação de petróleo pelo Irã.

O Irã, que é um grande produtor de petróleo do Oriente Médio e membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), retomou seu papel como um grande exportador de petróleo em janeiro de 2016, quando as sanções internacionais contra Teerã foram removidas em troca de restrições ao programa nuclear iraniano.