Petróleo afunda 4% com EUA acenando com waivers para petróleo iraniano

jul 16, 2018

Os preços do petróleo fecharam em queda nesta segunda-feira, pressionados pelas expectativas de um aumento na oferta global depois que o secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin, disse que alguns importadores podem receber isenções para continuar comprando do Irã.

Na Bolsa Mercantil de Nova York, o contrato futuro do WTI para entrega em agosto cedeu 4,2%, para US$ 68,06 por barril, enquanto na Bolsa Intercontinental de Londres o Brent perdeu 4,5%, para encerrar a sessão a US$ 71,92 o barril.

"Queremos que reduzam as compras de petróleo [do Irã] a zero, mas em certos casos, se as pessoas não puderem fazer isso da noite para o dia, consideraremos exceções", disse Mnuchin a repórteres na sexta-feira. Os comentários não foram divulgados até segunda-feira de manhã.

Essa perspectiva um pouco mais suave sobre as sanções sobre os compradores de petróleo iraniano se segue a cobranças do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre a OPEP para limitar o forte aumento dos preços do petróleo, que alcançou na semana passada níveis não vistos desde novembro de 2016.

Com a redução na oferta iraniana mais lenta do que o anteriormente previsto, os investidores reduziram as apostas de uma quebra na oferta global de petróleo.

Na semana passada, a reabertura de portos de exportação na Líbia já arrefeceu as pressões de alta sobre o petróleo com a retomada da oferta do país, anteriormente interrompida por sabotagem de grupos armados.

Também pelo lado da oferta, as exportações de petróleo do Iraque aumentaram 6%, para 4,05 milhões de barris por dia (bpd) na primeira metade de julho, de 3,839 milhões de bpd para todo o mês de junho, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

A queda nos preços do petróleo ocorre à medida que analistas do mercado monitoram possíveis comentários na sequência da reunião entre o presidente Donald Trump e o presidente russo, Vladimir Putin, na segunda-feira, os dois maiores produtores globais.

Putin deu a entender que os EUA e a Rússia poderiam trabalhar juntos de maneira construtiva para equilibrar os mercados internacionais de energia, já que uma forte queda nos preços não era do interesse da Rússia.

Isso, no entanto, fez pouco para segurar a queda nos preços do petróleo e os investidores passam a olhar para os dados semanais de estoques de petróleo dos EUA publicados pelo grupo privado American Petroleum Institute, na terça-feira, e pela agência de energia do país na quarta-feira.