Ouro em mínima de 6 meses com força do dólar; discursos do Fed na agenda

jun 26, 2018

Investing.com - A cotação do ouro estava em baixa pela segunda sessão consecutiva no pregão durante o meio da manhã desta terça-feira, atingindo a mínima de seis meses, com o dólar subindo e os investidores aguardando aparições públicas de decisores do Federal Reserve para obter indicações pistas sobre as perspectivas de mais aumentos de juros.

Às 12h13, os contratos futuros de ouro com vencimento em agosto na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York recuavam US$ 5,90, ou 0,5% para US$ 1.263,50 a onça troy. Isso ocorro após terem atingido US$ 1.256,40, mínima intradiária que também foi o menor nível desde 18 de dezembro.

Enquanto isso, o índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais moedas, avançava 0,26% para 94,19, recuperando-se de 93,84, mínima atingida durante a noite que foi um nível não visto desde 14 de junho.

Um dólar mais forte torna o metal cotado nesta moeda mais caro para detentores de modas estrangeiras.

O ouro, que é buscado normalmente como uma reserva de valor em momentos de incerteza econômica, parecia inabalado pela escalada nas tensões comerciais entre os EUA e outras nações e encerrou a sessão de segunda-feira em território negativo.

Donald Trump, presidente dos EUA, prometeu nesta terça-feira que seu governo está terminando seu "estudo de tarifas sobre carros da União Europeia que há muito tempo se aproveitam dos EUA na forma de barreiras comerciais e tarifas".

Trump tuitou: "No final tudo vai se equilibrar e não vai demorar muito!"

No calendário econômico de terça-feira, o Conference Board informou que a confiança do consumidor em junho caiu para 126,4, frustrando as expectativas de um declínio menor para 127,6.

Ainda à frente, tanto o presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic, quanto o chefe do Fed de Dallas, Robert Kaplan, devem fazer aparições públicas.

Jerome Powell, presidente do Fed, reiterou na semana passada que a circunstância para aumentos graduais contínuos permanece forte.

Taxas de juros mais altas tendem a pesar na demanda pelo ouro, que não rende juros, em favor de investimentos que possuem rendimentos.

Quanto a outros metais, os contratos futuros da prata recuavam 0,3% para US$ 16,275 a onça troy por volta das 12h15.

Os contratos futuros de paládio avançavam 0,3% para US$ 938,50 a onça, enquanto a platina avançava 0,4% para US$ 874,30.