Ouro em ligeira baixa com redefinição do NAFTA pelos EUA

ago 28, 2018

A cotação do ouro caía nesta terça-feira, apesar do dólar mais fraco, já que as tensões comerciais entre os EUA e a China se mantinham.

Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos futuros de ouro recuavam 0,16% para US$ 1.214,10 a onça troy por volta das 11h33.

EUA e México chegaram a um acordo comercial na segunda-feira que substituirá o Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA, na sigla em inglês). O secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin, disse na terça-feira acreditar que os EUA também chegarão a um acordo com o Canadá nesta semana. O Canadá ficou de fora das negociações desde julho. No entanto, o presidente dos EUA, Donald Trump, alertou que ele ainda pode impor tarifas sobre automóveis canadenses se eles se recusarem a concordar com o novo acordo.

Apesar do progresso comercial na América do Norte, a preocupação permanece quanto às relações comerciais entre os EUA e a China. Autoridades de ambos os países devem se reunir no final deste mês para retomar as negociações comerciais, depois que a última rodada terminou com pouco progresso. Os EUA impuseram tarifas sobre US$ 16 bilhões em produtos chineses em 24 de agosto, com a China impondo tarifas recíprocas e ameaçando apresentar uma queixa à Organização Mundial do Comércio.

A cotação do ouro não foi afetada pelo dólar mais fraco. O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, recuava 0,13% para 94,55.

O ouro normalmente cai quando o dólar sobe, já que o metal precioso é cotado na moeda norte-americana e é sensível a movimentos da divisa. O metal se torna mais caro para detentores de outras moedas quando o dólar sobe e mais barato quando cai.

Outros metais estavam em diferentes direções na Comex, com os contratos futuros de prata recuand 0,50%, para US$ 14,785 por onça troy. Quanto a outros metais preciosos, os contratos futuros de platina recuava 0,63% para US$ 799,10, enquanto os contratos futuros de paládio caíam 0,22% e eram negociados por US$ 935,40 a onça. Os contratos futuros do cobre avançavam 0,70% para US$ 2,751 a libra.