Ouro em alta enquanto tensões comerciais se mantêm

jun 18, 2018

Investing.com - A cotação do ouro estava em alta modesta nesta segunda-feira, mas permanecia perto da mínima de seis meses, já que a preocupação com as relações comerciais permaneceu em foco.

Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos futuros de ouro com vencimento em agosto avançavam 0,21% para US$ 1.281,20 a onça troy por volta das 11h28.

Na sexta-feira, Donald Trump, presidente norte-americano, anunciou uma tarifa de 25% sobre 818 produtos chineses diferentes, que equivalem no total a US$ 34 bilhões, a partir de 6 de julho. A China prontamente retaliou com uma tarifa de 25% sobre os produtos norte-americanos, incluindo soja e automóveis, que também equivalem no total a US$ 34 bilhões.

As duas maiores economias do mundo estão retaliando tarifas nos últimos meses, já que as duas nações lutam para conciliar suas diferenças comerciais. As tarifas aumentaram as chances de uma guerra comercial global, já que a União Europeia e o Canadá votaram a favor de retaliar as tarifas de metais dos EUA.

Os investidores muitas vezes recorrem ao ouro em momentos de incerteza política, já que o metal precioso é considerado um porto seguro com relação ao impacto da geopolítica.

O ouro também teve seus preços contidos devido a uma alta na moeda dos EUA. O ouro é cotado na moeda norte-americana e é sensível a movimentos do dólar. O metal se torna mais caro para detentores de outras moedas quando o dólar sobe e mais barato quando cai.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, avançava 0,08% para 94,52, já que o tom mais agressivo do Federal Reserve impulsionava o dólar.

O Fed elevou as taxas pela segunda vez neste ano em junho e deverá elevar ainda mais duas vezes em 2018. Expectativas de taxas de juros mais altas tendem a impulsionar o dólar por tornarem a moeda norte-americana mais atrativa a investidores que buscam bons rendimentos.

Taxas de juros mais altas são ruins para o ouro uma vez que o metal precioso, que não paga juros, luta para competir com ativos com melhores rendimentos quando as taxas de juros sobem.

Ainda na divisão Comex, contratos futuros da prata tinham queda de 0,06% e eram negociados a US$ 16,470 por onça troy. Quanto a outros metais preciosos, a platina recuava 0,06% para US$ 887,30, enquanto o paládio avançava 0,80% para US$ 989,70 a onça. Os contratos futuros de cobre tinham perdas de 1,45% e eram negociados a US$ 3,099 a libra.