Ouro cai com alta do dólar após dados econômicos

jul 31, 2018

A cotação do ouro estava em baixa nesta terça-feira e permanecia no caminho do quarto mês seguido de queda.

Na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, os contratos futuros de ouro recuavam 0,11% para US$ 1.219,90 a onça troy por volta das 11h26. O ouro caiu nos últimos meses com o fortalecimento do dólar e o aumento dos juros pesando sobre o metal.

O Federal Reserve toma uma decisão de política monetária na tarde de quarta-feira, mas sem aumento de juros esperado. Em vez disso, o Fed deve aumentar as taxas de juros em setembro, com 87,8% de chances de que isso ocorra.

Taxas de juros mais altas são ruins para o ouro uma vez que o metal precioso, que não paga juros, luta para competir com ativos com melhores rendimentos quando as taxas de juros sobem.

O metal precioso também foi pressionado por um dólar mais forte. O ouro normalmente cai quando o dólar sobe, já que o metal precioso é cotado na moeda norte-americana e é sensível a movimentos da divisa.

Notícias sobre novas negociações comerciais entre os EUA e a China e fortes dados econômicos impulsionavam o dólar. As duas maiores economias do mundo permanecem em uma batalha há alguns meses devido a divergências comerciais.

Enquanto isso, a confiança do consumidor subiu em julho, enquanto os gastos do consumidor tiveram aumento em junho, apontando para uma força contínua na economia dos EUA.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, avançava 0,12% para 94,25.

O metal se torna mais caro para detentores de outras moedas quando o dólar sobe e mais barato quando cai.

Outros metais estavam em diferentes direções na Comex, com os contratos futuros de prata caindo 0,05%, para US$ 15,530 por onça troy. Quanto a outros metais preciosos, os contratos futuros de platina avançavam 0,66% para US$ 837,00, enquanto os contratos futuros de paládio saltavam 0,44% e eram negociados a US$ 926,60 a onça. Além disso, contratos futuros de cobre tinham alta de 0,75%, e chegavam a US$ 2,813 a libra.