O presidente do Banco da Inglaterra estende seu mandato por causa do Brexit

set 11, 2018

O presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney, concordou em estender sua permanência ao comando do banco central, de acordo com o ministro das Finanças do Reino Unido, Philip Hammond.

Em comentários entregues ao Parlamento britânico, Hammond comunicou que Carney permaneceria até janeiro de 2020, a fim de ver a economia do Reino Unido durante o "período turbulento", como o Reino Unido deixa oficialmente a União Europeia.

Carney, que começou no comando do BoE em 2013, estava originalmente previsto para um mandato de cinco anos, mas estendeu esse prazo para junho de 2019, quando o Reino Unido votou pela saída da UE, precisamente para lidar com quaisquer questões decorrentes do chamado Brexit, que deve ocorrer em 29 de março de 2019.

"Ao assumir o meu mandato, além do período esperado do processo do Artigo 50, isso deve contribuir para garantir uma transição ordenada para o novo relacionamento do Reino Unido com a Europa", explicou ele na época.

Enquanto as autoridades da UE e do Reino Unido continuam a negociar os termos do Brexit com pouco progresso visível, circulam rumores nas últimas semanas de que o Tesouro do Reino Unido estava solicitando que Carney permanecesse em sua posição em caso de mais turbulência no mercado.

Hammond disse ao Parlamento britânico na terça-feira que Carney concordou em ficar apesar das "pressões pessoais".