Morgan Stanley vê setor de educação pressionado com possível ministro de Bolsonaro

out 10, 2018

Uma eventual vitória de Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno das eleições para a presidência da República, com a possível indicação de Stravos Xanthopoylos para assumir o Ministério da Educação, pode ser, na visão do Morgan Stanley (NYSE:MS), o motivo para que as ações das companhias do setor operem em queda nesta quarta-feira.

O documento assinado pelo analista Javier Martinez destaca que Stravos tem experiência em Educação a Distância, foi chefe dos cursos de EaD da FGV (Fundação Getúlio Vargas) e diretor da ABED (Associação Brasileira da Educação à Distância).

Na visão do banco de investimentos, a mensagem passada é que ele apoiaria uma expansão da capacidade do governo (tanto básica como pós-secundária) via EAD (e não no campus ou por financiamento de escolas particulares), o que representaria uma maior concorrência para as escolas privadas.

No entanto, Martinez ponderou ser muito cedo para saber qual seria o impacto real da eventual escolha.

As ações da Kroton (SA:KROT3) caem 3,63% a R$ 11,44 e da Estácio (SA:ESTC3) recuam 3,46% a R$ 23,41, enquanto o Ibovespa tem queda de 2,08 por cento. Na véspera, tais papéis fecharam em baixa de 2,79 e 5 por cento, respectivamente.

Com Reuters.