Moedas - Euro em alta, dólar e iene caem

jul 03, 2018

Investing.com - O euro estava em alta nesta terça-feira, já que o risco político na Alemanha diminuiu, ao passo que o dólar e o iene estavam em baixa, já que as preocupações com as tensões comerciais diminuíram, mas a percepção dos investidores permanecia frágil.

O par EUR/USD avançava 0,26% para 1,1669 às 05h02 após ter encerrado a sessão anterior em queda de 0,32%.

O euro foi impulsionado depois que a chanceler alemã, Angela Merkel, chegou a um acordo sobre política de imigração com parceiros da coalizão, resolvendo uma disputa que havia colocado em dúvida o futuro do governo.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, recuava 0,2% para 94,41.

Os mercados de capitais asiáticos tiveram um rali de última hora depois de terem caído durante a noite, mas investidores permaneceram aflitos antes de um prazo iminente na disputa comercial entre os EUA e a China.

As tarifas dos EUA sobre o equivalente a US$ 34 bilhões em produtos importados da China devem entrar em vigor em 6 de julho, com a China pronta para retaliar com tarifas próprias sobre o mesmo valor em produtos norte-americanos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, está avançando com os planos de penalizar os principais parceiros comerciais, incluindo a União Europeia, o México e o Canadá, como parte de sua política "América First", que muitos investidores temem que atinja o crescimento global.

O dólar também estava em alta frente ao iene, com o par USD/JPY avançando para 110,98.

O euro também tinha ganhos frente ao iene, com o par EUR/JPY avançando 0,36% para 129,52.

A libra estava em alta, com o par GBP/USD avançando 0,27% para 1,3156.

O dólar australiano e o dólar neozelandês, sensíveis às relações comerciais, também estavam em alta, com o par AUD/USD subindo 0,64%, negociado a 0,7836, e o par NZD/USD avançando 0,15% para 0,6725.

O Banco da Reserva da Austrália deixou as taxas de juros inalteradas durante a noite e disse que a política comercial dos EUA é uma fonte de incerteza sobre as perspectivas econômicas globais.