Moedas - Dólar em alta enquanto tensão nos mercados emergentes continua

set 05, 2018

O dólar estava sendo negociado perto da máxima de uma semana e meia contra uma cesta de moedas na quarta-feira, uma vez que a demanda por portos seguros continuou ser sustentada pelas preocupações persistentes sobre as tensões comerciais e nos mercados emergentes.

O índice do dólar que avalia a força do dólar norte-americano em comparação com a cesta das seis principais moedas, subia 0,17% para 95,59 às 4h01, não muito longe da máxima de uma semana e meia de 95,68.

A demanda pelo dólar foi reforçada pelo clima de aversão ao risco nos mercados, em meio a temores sobre o impacto no crescimento global das políticas comerciais protecionistas do governo Trump e das tensões nos mercados emergentes.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pode impor tarifas adicionais de US$ 200 bilhões às importações da China, a partir de quinta-feira, o que aumentaria a disputa comercial com Pequim.

Os dados durante a noite mostraram que a atividade comercial na China desacelerou em agosto, indicando que a disputa comercial com os EUA está atingindo a demanda.

As negociações comerciais entre os EUA e o Canadá devem ser retomadas ainda nesta quarta-feira, com Trump ameaçando deixar o Canadá fora de um novo acordo já negociado com o México.

O dólar permaneceu praticamente inalterado em relação ao iene, com USD/JPY ficando em 111,49.

O euro caiu em relação ao dólar mais firme, com EUR/USD caindo 0,2%, para 1,1557.

A libra esterlina também foi pressionada para baixo, com GBP/USD recuando 0,3%, para 1,2816, já que as preocupações com a perspectiva de um não-acordo sobre o Brexit continuaram a pesar.

O dólar australiano foi menor, com AUD/USD caindo 0,28%, para 0,7156, apesar dos dados durante a noite mostrarem que a economia do país cresceu no ritmo mais rápido em seis anos no segundo trimestre.

Nos mercados emergentes, a lira turca foi pressionada em baixa, em meio a preocupações persistentes sobre a crise econômica e cambial do país.

A deterioração das relações entre os EUA e Ancara e as preocupações com o crescente controle de Erdogan sobre a política monetária e a economia fizeram a lira despencar mais de 40% este ano.

O peso argentino também caiu, voltando a cair para níveis recordes em relação ao dólar, enquanto o governo do país se esforçava para lidar com uma nova crise econômica.

As moedas dos mercados emergentes foram duramente atingidas pela preocupação de que as taxas de juros mais altas nos EUA pressionem os países que tomaram grandes empréstimos em dólares nos últimos anos.