Moedas - Dólar cai, mas ata do Fed mantém alta de taxas na mesa

out 18, 2018

O dólar teve queda depois uma semana e meia de alta em relação à cesta de moedas na quinta-feira, mas permaneceu apoiado, já que as atas da reunião de setembro do Federal Reserve indicaram que o banco planeja aumentar as taxas nos próximos meses.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, caía para 95,31 às 04h58, após ter encerrado a sessão anterior em queda de 0,63%.

As atas indicaram que os formuladores de políticas do Fed estavam de acordo no aumento da taxa de setembro e em geral previam que seriam necessários novos aumentos graduais para evitar o superaquecimento da economia, com alguns falando em empurrar os custos dos empréstimos para um território restritivo.

A ata não menciona as recentes críticas do presidente Donald Trump sobre o ritmo dos aumentos, mas observou que os cortes de impostos de Trump podem fazer a economia ficar muito quente enquanto a guerra comercial com a China pode atingir o crescimento econômico.

Na terça-feira, Trump disse que o Fed era sua “maior ameaça” porque aumentava as taxas muito rapidamente.

Mercados de ações globais vendeu após os rendimentos dos títulos do Tesouro subirem para seu nível mais alto desde 2011 na semana passada, em meio a expectativas de que o Fed continue aumentando as taxas de juros, corroendo o valor das ações.

O rendimento dos títulos do Tesouro dos EUA com vencimento em 10 anos ficou em 3,209% após subir para máximas de uma semana na quarta-feira.

O euro foi pouco alterado em relação ao dólar, com o par EUR/USD em 1,1508.

A libra permanecia estável, com o par GBP/USD cotado em 1,3111, depois de tocar uma baixa de uma semana de 1,3076 durante a noite.

A libra esterlina permaneceu sob pressão depois que o negociador-chefe do Brexit na União Europeia, Michel Barnier, disse na quarta-feira que é preciso mais tempo para garantir um acordo.

O par USD/JPY estava em 112,60, após subir 0.34% na quarta-feira..

Os dados durante a noite mostraram que as exportações japonesas caíram pela primeira vez desde setembro de 2016, aumentando as preocupações com o impacto guerra comercial entre EUA e China ao crescimento global.

Em outras notícias, o yuan da China caiu para o seu nível mais baixo desde janeiro de 2017, após o Tesouro americano não rotular a China como um manipulador de moedas.