Melhor crescimento dos EUA quase 4 anos faz Fed enfrentar incertezas no comércio

jul 27, 2018

A expansão do PIB dos EUA no segundo trimestre mostrou o estado sólido da economia do país nesta sexta-feira, mas deixou os economistas questionando a estabilidade dos números em mãos, ao mesmo tempo em que pouco oferece para mudar os planos do Federal Reserve para a política monetária.

A economia dos EUA cresceu 4,1% no segundo trimestre, em linha com o consenso e sua leitura mais forte desde o terceiro trimestre de 2014.

Viraj Patel, macroestrategista global e de câmbio do ING, observou que o crescimento do consumo pessoal de 4,0% implica que o consumidor norte-americano está “impulsionando toda a economia global”.

"Os mercados podem questionar quão sustentável é uma fonte de crescimento", alertou Patel, ao apontar a queda no dólar.

Outros especialistas apontaram para o aumento nas exportações e sugeriram que o salto foi devido a países estrangeiros acumularem suprimentos antes da implementação da tarifa esperada.

“(Houve) um aumento de 13,3% nas exportações que estavam concentradas nas exportações agrícolas”, disse o economista-chefe da RSM, Joseph Brusuelas. "Soja é a palavra do dia."

Crescimento forte não é um fator de mudança para o Fed

Os dados como um todo estavam de acordo com as expectativas, mas pouco fizeram para mudar o plano de jogo do Fed de continuar com aumentos de juros “graduais”.

"Com um mercado de trabalho forte, inflação próxima ao nosso objetivo e os riscos para as perspectivas mais ou menos equilibrados, o FOMC acredita que - por enquanto - o melhor caminho é continuar aumentando gradualmente a taxa dos fundos federais", disse Powell em seu depoimento ao Congresso dos EUA em 17 de julho.

Apesar de sua avaliação otimista da economia dos EUA, Powell foi muito claro ao dizer que "é difícil prever o resultado final das discussões atuais sobre a política comercial" e deixou a bola no colo do presidente dos EUA, Donald Trump, para lidar com as negociações com a China, Canadá, México e União Europeia, entre outros.

Os mercados julgaram claramente que as decisões futuras do Fed não foram afetadas pelos dados do PIB de sexta-feira. Os futuros do fundo do Fed continuavam a precificar o aumento de juros em setembro e a probabilidade de um aumento em dezembro estava em 69,4%, comparado a 69,5% antes da divulgação dos dados.