Malan critica debate sobre estado 'mínimo' e 'máximo' e pede foco em eficiência

set 04, 2018

O ex-ministro da Fazenda Pedro Malan criticou a discussão política em curso sobre a necessidade de ter um estado grande ou pequeno e defendeu que o debate deveria ocorrer em relação à eficiência do governo.

“Essa discussão de estado mínimo e máximo é insana”, disse o economista em debate realizado no Congresso Brasileiro de Mercado de Capitais 2018. Segundo ele, o estado “deve ser eficiente” no realiza.

Malan citou o incêndio do Museu Nacional no Rio de Janeiro como um sinal do descaso com as coisas públicas do Brasil. “O estado tenta responder todas as demandas, que superam o limite de sua capacidade”.

O economista havia criticado o tom eleitoral em programa da Rede Globo na semana passada e defendeu que o próximo presidente seja capaz de dialogar para aprovar as medidas necessárias. No programa, o economista cutucou o líder nas pesquisas Jair Bolsonaro ao dizer que o país não precisa de um autoritário ou um “Messias”, nome do meio do candidato.

O ex-ministro defendeu que os candidatos reduzissem as incertezas ao garantirem a política monetária de metas de inflação e o câmbio flutuante.

No front político-econômico, também defendeu a aprovação das reformas da Previdência, tributária e administrativa.

O Congresso Brasileiro de Mercado de Capitais 2018 é patrocinado pelo e acontece nos dias 3 e 4 de setembro, no Memorial da América Latina, em São Paulo. O evento é organizado pela Anbima e a B3 e reúne representantes dos principais players do mercado brasileiro, com objetivo de traduzir a relevância do nosso mercado de capitais.

Com a presença de palestrantes de renome nacional e internacional, o congresso pretende discutir as oportunidades, as perspectivas e o futuro do mercado de capitais, importante meio para o desenvolvimento econômico.

Pedro Malan critica debate sobre estado mínimo e estado máximo