Juros e inflação baixos atraem investidores para o mercado, dizem especialistas

set 03, 2018

O mercado de capitais do país ainda é um instrumento pouco utilizado por empresas e pessoas físicas no Brasil e tem grande potencial para crescimento. Essa é a opinião de representantes de grandes instituições financeiras que participaram hoje de debate no Congresso Brasileiro de Mercado de Capitais 2018.

“Temos menos empresas listadas em bolsa no Brasil do Chile e Peru (...) em termos per capita, o mercado é menor que o da Argentina”, disse Renato Ejnisman, diretor executivo do Bradesco BBI.

O ambiente macroeconômico brasileiro é positivo quando se observa uma combinação benéfica que raras vezes foi vista na história recente com juros e inflação baixos. Com o rendimento de renda fixa baixo, os investidores aumentam o apetite por risco para garantir retornos mais altos.

Daniel Lemos, COO da XP Investimentos, defende o modelo empregado pela corretora para ampliação da base de investidores que acessam investimentos. “A participação de pessoas físicas tem três óticas importantes: 1) força a educação do sistema, 2) aumenta a transparência de preços e 3) investidores têm sentimento de dono, o que aumenta a governança.”.

No ano passado, o hype visto com as criptomoedas trouxe à tona o limitado tamanho do mercado brasileiro. Enquanto mais de 1 milhão de pessoas passaram a ter carteira com o arriscado investimento em criptomoedas, pouco mais de 600 mil CPFs estavam cadastrados na Bovespa.

Estudo da Anbima publicado hoje mostrou que 58% dos brasileiros não possuem nenhum investimento financeiro. Em respostas espontâneas, apenas 45% citaram algum produto, sendo 32% indicaram a poupança.

“O pequeno investidor passa a ter uma visão de longo prazo. Nos EUA, tem uma cultura de poupança e 40% do investimento em previdência é aplicado na bolsa. É algo que pode ser melhor trabalhado aqui”, disse Christian Egan, diretor executivo de Mercados Globais e Tesouraria do Itaú Unibanco.

O ambiente de baixos juros também atrai fundos para o mercado financeiro. “Até pouco tempo atrás, os fundos apostavam em renda fixa e agora vão ter que buscar outras formas para render mais”, disse Ejnisman.

O Congresso Brasileiro de Mercado de Capitais 2018 é patrocinado pelo e acontece nos dias 3 e 4 de setembro, no Memorial da América Latina, em São Paulo. O evento é organizado pela Anbima e a B3 e reúne representantes dos principais players do mercado brasileiro, com objetivo de traduzir a relevância do nosso mercado de capitais.

Com a presença de palestrantes de renome nacional e internacional, o congresso pretende discutir as oportunidades, as perspectivas e o futuro do mercado de capitais, importante meio para o desenvolvimento econômico.