Ibovespa futuro inicia jornada desta sexta-feira com desvalorização

jul 13, 2018

Após fechar em alta de mais de 2% na sessão de ontem, o índice futuro do Ibovespa inicia a sexta-feira com leve desvalorização de 0,09% aos 76.325 pontos, contrariando assim a tendência das bolsas internacionais e dos índices futuros de Wall Street.

Os investidores mostram maior tranquilidade em relação à guerra comercial entre os Estados Unidos e China, mesmo sem a mudança de posição do governo americano, o que faz com que os mercados ainda adotem a cautela.

A agenda não traz grandes indicadores de destaque na agenda americana e na brasileira, com as atenções começando a se voltar par a divulgação dos balanços corporativos nas duas praças.

Por aqui, o IBGE divulgou na manhã de hoje que em maio, o volume de serviços no Brasil caiu 3,8% frente a abril (série com ajuste sazonal). Foi o resultado negativo mais intenso da série histórica iniciada em janeiro de 2011, fortemente influenciado pela greve dos caminhoneiros que ocorreu nos últimos dez dias de maio. Em relação a maio de 2017 (série sem ajuste sazonal), o volume de serviços recuou 3,8%, sua maior queda desde abril de 2017 (-5,7%). Com isso, o acumulado do ano até maio (-1,3%) mostrou recuo mais intenso do que o primeiro quadrimestre de 2018 (-0,7%).

Bolsas Internacionais

Em Tóquio, o índice Nikkei avançou 1,85 por cento, a 22.597 pontos. Em Hong Kong, o índice HANG SENG subiu 0,16 por cento, a 28.525 pontos. Em XangaiI, o índice SSEC perdeu 0,22 por cento, a 2.831 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, avançou 0,35 por cento, a 3.493 pontos.

Na Europa, com os mercados já abertos, o DAX, de Frankfurt, tem ganhos de 0,33% aos 12.534,77 pontos, com o FTSE, de Londres, avançando 0,42% aos 7.683,79 pontos. Em Paris, o CAC opera com alta de 0,44% aos 5.429,45 pontos.

Commodities

Os contratos futuros do minério de ferro fecharam a sessão desta sexta-feira, na bolsa de mercadorias de Dalian, com leve desvalorização de 0,43% a 463,00 iuanes para cada tonelada do produto, nos ativos com data de vencimento no mês de setembro deste ano. A variação diária foi de 2,00 iuanes.

Por outro lado, a jornada foi de ganhos nos preços do vergalhão de aço, negociados em Xangai. No contrato de maior liquidez, com data de entrega em outubro deste ano, os ganhos foram de 22 iuanes para um total de 3.959 iuanes por tonelada. Já o segundo ativo de maior volume, para janeiro de 2019, a valorização foi de 62 iuanes para um total de 3.794 iuanes por tonelada.

No caso do petróleo, os preços nos mercados internacionais têm um novo dia de queda. Em Nova York, o barril do tipo WTI cai 0,16%, ou US$ 0,11. A US$70,22, enquanto em Londres o Brent cai 0,50%, ou US$ 0,37, a US$ 74,08.

Mercado Corporativo

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) suspendeu o leilão das distribuidoras da Eletrobras (SA:ELET3) marcado para 26 de julho, atendendo a uma decisão da 19ª Vara Federal do Rio de Janeiro desta quinta-feira.

Em sua decisão, a Justiça acatou ação civil pública movida pela Associação dos Empregados da Eletrobras (AEEL), que pedia a suspensão do processo licitatório, ao entender que o certame precisaria de aprovação legislativa.

A AEEL defendeu haver ilegalidade no edital do leilão porque não teriam sido cumpridas condicionantes estabelecidas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pelo entendimento de que a privatização de empresas públicas depende de autorização prévia em lei, conforme liminar recente do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski.

Para tentar manter o leilão, a União alegou "desnecessidade de autorização legislativa específica para a alienação do controle acionário ou dissolução das subsidiárias" e apontou que a suspensão do processo poderia "causar grave lesão à ordem administrativa e à economia pública".

Agenda de Autoridades

O presidente Michel Temer, de acordo coma agenda publicada no site do Palácio do Planalto, não tem compromissos oficiais nesta sexta-feira.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, participa nesta sexta-feira de reunião com Conselheiros da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB). Na parte da tarde, faz Visita ao Jornal Valor Econômico.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou uma atualização do Plano Geral de Metas de Competição (PGMC). O documento contém uma série de regras e medidas para promover a concorrência nos mercados de telecomunicações. O plano que estava válido até então havia sido criado pela agência em 2012.