Futuros do minério de ferro recuam 2% na bolsa da Dalian

ago 16, 2018

A sessão desta quinta-feira na bolsa de mercadorias de Dalian, na China, foi mais uma vez marcada pela forte desvalorização nos contratos futuros do minério de ferro, que voltaram a ser negociados abaixo do patamar de 500 iuanes. Os ativos com data de vencimento em janeiro de 2019 tiveram perdas de 2,08%, fechando assim o dia a 493,50 iuanes por tonelada, representando variação diária de 10,50 iuanes.

Para o vergalhão de aço, que tem os contratos negociados na bolsa de Xangai, a sessão foi de leve desvalorização para o ativo de maior liquidez (para janeiro de 2019), que avançou 9 iuanes a 4.163 iuanes por tonelada. Já o segundo ativo mais negociado (outubro), que até a sessão de ontem era o de maior volume, teve queda de 15 iuanes, para um total de 4.329 iuanes por tonelada.

Os mercados de ações chineses atingiram níveis próximos às mínimas de dois anos e meio durante o pregão nesta quinta-feira, com a recente queda do iuan reduzindo a confiança dos investidores, mas notícias sobre negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China ajudaram a recuperar parte das perdas.

O iuan da China recuou para a mínima de 15 meses contra o dólar no dia anterior e se aproximou do nível não visto desde 2008, com o dólar estendendo ganhos e uma série de dados apontando para desaceleração adicional na economia chinesa.

A tensão segue presente nos mercados internacionais, com os investidores preocupados com o crescimento da economia chinesa para os próximos anos. A disputa comercial entre Estados Unidos e China segue no radar, apesar dos sinais de arrefecimento das tensões. Por outro lado, a tensão gerada pela crise na Turquia e as ameaças tarifarias entre o governo turco e americano trazem novas incertezas aos investidores.

A China vai realizar nova rodada de negociações comerciais com os Estados Unidos em Washington no final deste mês, informou o governo chinês nesta quinta-feira, movimento que pode trazer esperança para o progresso na resolução de um conflito que colocou os mercados financeiros mundiais no limite.

Uma delegação chinesa liderada pelo vice-ministro do Comércio, Wang Shouwen, se reunirá com representantes dos EUA liderados pelo subsecretário do Tesouro para Assuntos Internacionais, David Malpass, informou o Ministério do Comércio em comunicado.

Com Reuters.