Futuros do Ibovespa iniciam sessão com leve queda

ago 28, 2018

Após fechar com importante valorização na sessão de ontem, seguindo os mercados externos, o Ibovespa futuro abre a sessão desta terça-feira com leve queda de 0,11%, aos 78.210, em dia que que é positivo nos mercados da Europa e também nos índices futuros de Wall Street.

Os EUA e o México concordaram na segunda-feira em reformular o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês), pressionando o Canadá a concordar com os novos termos sobre o comércio de automóveis e outras questões para continuar fazendo parte do pacto.

A confiança da indústria brasileira voltou a cair em agosto após apresentar estabilidade no mês anterior e foi ao nível mais baixo desde janeiro devido às incertezas internas e externas, de acordo com dados da Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgados nesta terça-feira.

Com queda de 0,4 ponto, o Índice da Confiança da Indústria (ICI) foi a 99,7 pontos neste mês, indo abaixo da marca de 100 pontos, considerada nível neutro, pela primeira vez desde os 99,4 pontos de janeiro.

"A escassez de boas notícias e bons resultados, e o elevado nível de incerteza mantido por questões internas e externas, tornam a recuperação da confiança mais distante no horizonte temporal", explicou a coordenadora da Sondagem da Indústria da FGV/IBRE, Tabi Thuler Santos, em nota.

Bolsas Internacionais

Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,06 por cento, a 22.813 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,28 por cento, a 28.351 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,10 por cento, a 2.777 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,19 por cento, a 3.400 pontos.

Na Europa, com os mercados abertos, o DAX, de Frankfurt, tem ganhos de 0,12% aos 12.552,99 pontos, enquanto em Londres o FTSE soma 0,34% aos 7.603,42 pontos. Já em Paris, o CAC soma 0,23% aos 5.491,58 pontos.

Commodities

A jornada desta terça-feira na bolsa de mercadorias de Dalian, na China, foi marcada por uma nova queda nos preços dos contratos futuros do minério de ferro. Os ativos com data de vencimento em janeiro de 2019 recuaram 0,62% e encerram assim o dia a 482,00 iuanes por tonelada do produto, o que representa uma variação negativa de 3 iuanes no dia.

Já em Xangai, na bolsa de mercadorias, os contratos do vergalhão de aço também tiveram perdas nos papéis de maior liquidez. O ativo mais negociado, para janeiro de 2019, as perdas foram de 29 iuanes, para um total de 4.232 iuanes por tonelada. O segundo papel em volume de negócios, para outubro deste ano, a queda foi de 3 iuanes, para 4.427 iuanes por tonelada.

A sessão é marcada por rumos distintos para o petróleo nos mercados internacionais. Em Nova York, o barril do tipo WTI opera perto da estabilidade, recuando 0,01%, ou US$ 0,01, a US$ 68,86. Em Londres, o Brent tem alta de 0,37%, ou US$ 0,28%, a US$ 76,78.

Mercado Corporativo

O governo federal avalia que não há riscos de falta de energia em Roraima, apesar de uma ameaça da Venezuela de cortar o suprimento realizado pela estatal Corpoelec ao Estado devido a problemas na efetivação de pagamentos à empresa, disse à Reuters o Ministério de Minas e Energia nesta segunda-feira.

A posição da pasta, que vê condições de a demanda da região ser atendida por termelétricas em caso de problemas no suprimento pelo país vizinho, vem após a governadora de Roraima, Suely Campos, enviar ofício em que expressa preocupação a diversas autoridades, incluindo o presidente Michel Temer.

A informação sobre a ameaça da Venezuela de cortar a oferta de energia a Roraima foi publicada primeiramente pelo jornal Valor Econômico na semana passada.

A Pré-Sal Petróleo (PPSA) habilitou nesta segunda-feira a participação de Shell Brasil, Total E&P Brasil, Repsol (MC:REP) Sinopec e Petrobras (SA:PETR4) no segundo leilão de petróleo da União, previsto para 31 de agosto, na bolsa B3.

Durante o leilão, serão ofertados contratos de compra e venda de petróleo da União oriundos da Área de Desenvolvimento de Mero e dos campos de Lula e Sapinhoá.

Os lotes serão ofertados individualmente e poderão ser adquiridos para contratos de 36 meses ou 12 meses. Em três anos, os contratos somam um total de 14,4 milhões de barris de petróleo.

O conselho de administração da Natura (SA:NATU3) aprovou a emissão de 1 bilhão de reais em debêntures em sua nona emissão, com recursos a serem usados para refinanciamento de dívidas da companhia de cosméticos.

A emissão será realizada em três séries, com data de 21 de setembro e vencimentos entre dois e quatro anos.

De abril a junho, a Natura teve lucro líquido de 31,8 milhões de reais, queda de 80,5 por cento ante um ano antes. O resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda) consolidado subiu 12 por cento. Já a margem recuou 4 pontos percentuais, para 10,8 por cento no segundo trimestre.

A Suzano Papel e Celulose (SA:SUZB3) informou nesta segunda-feira que contratou 786 milhões de reais em notas de crédito de exportação e Crédito Produtor Rural com o Banco Safra, em meio à aquisição da rival Fibria (SA:FIBR3).

Em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa informou que os recursos da captação serão usados para financiar suas exportações e atividades de custeio. A emissão tem prazo de oito anos.

"Para todo volume objeto das emissões...a companhia já contratou o respectivo hedge ao câmbio de 3,93 reais com custo de 5,6 por cento ao ano mais variação cambial", informou a Suzano.

A Marfrig (SA:MRFG3) anunciou nesta terça-feira que foi aprovado um aditivo ao acordo de acionistas que estabelece uma política financeira para redução do nível de alavancagem da companhia, que pode levar a restrições à remuneração de acionistas e à aquisição de participações acionárias em caso de descumprimento.

O terceiro aditivo do acordo de acionistas, assinado pela MMS Participações e o BNDES Participações, limita o nível de alavancagem medido pela dívida líquida/Ebitda consolidado ajustado a 2,5 vezes em 31 de dezembro de 2018 e a 3,5 vezes nos trimestres subsequentes, de acordo com fato relevante.

Agenda de Autoridades

O presidente Michel Temer participa nesta terça-feira da Cerimônia de Comemoração do Dia Nacional do Voluntariado e da Entrega do Prêmio Viva Voluntário. Mais tarde, se reúne cmo Eliseu Padilha, Ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República; Moreira Franco, Ministro de Estado de Minas e Energia; Carlos Marun, Ministro-Chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República; e Sergio Etchegoyen, Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

O dia chega ao fim com Temer recebendo Ronaldo Fonseca de Souza, Ministro de Estado da Secretaria-Geral da Presidência da República; Senador Edison Lobão (MDB/MA); e Missionário RR Soares.

A agenda do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, tem início com Reunião com ministro Raimundo Carreiro, presidente do Tribunal de Contas da União (TCU). Em seguida se encontra com o ministro Aroldo Cedraz, do Tribunal de Contas da União (TCU). Na parte da tarde, Guardia se reúne com o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro.

O dia de Guardia chega ao fim com um jantar com a direção do Grupo Bandeirantes.