Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

set 03, 2018

Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

1. Mercados dos EUA celebram o Dia do Trabalho

Os volumes de negociação provavelmente permanecerão fracos com os mercados financeiros dos EUA fechados em observância do Dia do Trabalho do país.

Em observância ao feriado nacional americano, que foi assinado em 1894 pelo Presidente Grover Cleveland, não haverá pregão para os índices Dow Jones Industrial Average, S&P 500, e na Nasdaq Composite.

Os mercados de renda fixa também estarão fechados, o que significa que não haverá negociação dos títulos do tesouro dos EUA.

Nas commodities, futuros de energia, incluindo os futuros do petróleo West Texas Intermediate estarão "paradas", o que significa que, não haverá preço de liquidação para contratos.

Da mesma forma, também não haverá acordo na Comex, onde o ouro e outros futuros de metais são negociados.

Outros mercados globais irão em horário normal.

Os mercados de câmbio também estão operando normalmente, embora os volumes sejam mais leves que o normal.

2. Bolsas de todo o mundo caem

As ações mundiais caíram, afetadas pelas preocupações com as moedas instáveis dos mercados emergentes e com a escalada da guerra comercial entre EUA e China.

Ações asiáticas tem queda pela terceira sessão consecutiva.

O Shanghai Composite, que caiu 5.3% o mês passado, por as preocupações com a guerra comercial cedeu 0,2%, para 2.720, recuando para a baixa de dois anos e meio de 2.653, estabelecida há duas semanas.

Na Europa, as mais importantes bolsas do continente estavam em ligeira baixa, com a maioria dos setores em território negativo.

O FTSE 100 de Londres contrariou a tendência negativa, com uma libra mais fraca e a mais recente incerteza do Brexit proporcionando um aumento contábil para as blue chips britânicas.

3. Preocupação com os mercados emergentes em foco

Investidores continuaram cautelosos com as moedas dos mercados emergentes depois de fortes quedas na lira turca e no peso argentino no mês passado devido a preocupações com a gestão econômica, os grandes déficits em conta corrente e a inflação.

A lira turca caiu mais de 2% no início do comércio para 6,7328 por dólar, antes de parear algumas perdas depois que o ministro das Finanças Berat Albayrak disse que {{não há risco}} para os bancos do país ou suas dívidas externas.

O rand sul-africano caiu para 14,7982 por dólar, um nível não visto em mais de dois anos.

A turbulência se espalhou para alguns outros países emergentes.

A rúpia da Indonésia caiu para 14.849,30 frente ao dólar, seus níveis mais baixos desde a crise econômica do país, duas décadas atrás.

As moedas dos mercados emergentes têm sido duramente atingidas por preocupações de que taxas de juros mais altas dos EUA pressionariam países que tomaram grandes empréstimos em dólares nos últimos anos.

4. Tensões comerciais ainda nas manchetes

Manchetes relacionadas ao comércio continuarão a mobilizar os ânimos do mercado na semana que se inicia, já que investidores estarão de olho em mais acontecimentos na atual disputa comercial entre os EUA e seus principais parceiros comerciais.

Depois de passar um prazo imposto pelos EUA na sexta-feira passada para o Canadá se una a um acordo comercial que foi alcançado entre os EUA e o México, mais conversações entre Ottawa e Washington estão programadas para continuar esta semana.

O presidente dos EUA, Donald Trump, tuitou no sábado que não havia necessidade de manter o Canadá no Nafta e alertou o Congresso para não se intrometer nas negociações comerciais ou que ele encerraria completamente o pacto comercial trilateral.

Investidores também estarão a par da atual disputa comercial EUA-China para ver se mais notícias se materializam após informações de que o presidente Trump estaria preparado para impor tarifas sobre outros US$ 200 bilhões em bens chineses já nesta semana.

5. Negociações do Brexit

Com menos de dois meses antes que a Grã-Bretanha e a União Europeia cheguem a um acordo para acabar com 40 anos de casamento, a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, está lutando para vender o que ela chama de Brexit comercialmente amigável.

Michel Barnier, o principal negociador do Brexit da União Europeia, criticou as propostas da primeira-ministra Theresa May em entrevista a um jornal alemão publicado no fim de semana.

Barnier teria dito que o plano proposto por May poderia significar “o fim do mercado único e do projeto europeu".

May também enfrentou críticas internas, com o ex-secretário de Relações Exteriores Boris Johnson dizendo que a estratégia Brexit de May significa um desastre para a Grã-Bretanha.

Johnson, que alguns membros do Partido Conservador do governo apontam como um potencial sucessor de May, renunciou em julho em protesto contra o chamado Plano de Chequers.

Além disso, o jornal The Times informou que 20 dos legisladores conservadores de May estavam agora apoiando a campanha de base "StandUp4Brexit" comprometendo-se a se opor ao Plano de Chequers.

O parlamento retorna do recesso de verão na terça.