Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta terça-feira

ago 14, 2018

Confira as cinco principais notícias desta terça-feira, 14 de agosto, sobre os mercados financeiros:

1. Lira turca ruge fora do naufrágio

A lira turca se recuperava, já que a moeda se firmava após dois dias de intensa venda depois que o banco central do país se comprometeu a fornecer liquidez em resposta a um colapso que abalou os mercados globais.

Investidores também sentiram alívio devido à notícia de que o ministro das Finanças, Berat Albayrak, faria uma teleconferência com investidores dos EUA, Europa e Oriente Médio na quinta-feira, sua primeira desde que assumiu o cargo há quase dois meses.

A lira chegou a subir 8% e ser negociada a 6,4172 contra o dólar, antes de recuar levemente para 6,5440, ainda em alta de 5% no dia (USD/TRY).

A moeda em dificuldades caiu para a maior baixa histórica de 7,1289 na segunda-feira, em meio à crescente preocupação com o aprofundamento da disputa diplomática com os Estados Unidos quanto à detenção de Andrew Brunson, um pastor americano preso em 2016.

Autoridades turcas acusam Brunson de apoiar uma tentativa fracassada de golpe no início daquele ano.

2. Bolsas globais sobem com alívio de crise turca

Em mercados de capitais, as bolsas globais estavam em alta, já que investidores cautelosamente voltavam aos mercados de risco em meio a uma estabilização na crise cambial da Turquia.

Em Wall Street, o mercado futuro dos EUA parecia estar preparado para abrir em alta.

Às 06h39, o índice blue chip futuros do Dow indicava ganhos de 80 pontos, ou cerca de 0,3%, os futuros do S&P 500 avançavam 10 pontos, ou cerca de 0,4%, enquanto o índice futuro de tecnologia NASDAQ 100 indicava alta de 37 pontos ou cerca de 0,5%.

Enquanto isso, na Europa, as principais bolsas da região se recuperavam de dois dias de vendas pesadas, à medida que diminuíam as ansiedades dos investidores em relação ao contágio de uma crise cambial turca.

Mais cedo, as bolsas asiáticas fecharam em diferentes direções, já que alguns mercados regionais se recuperaram um dia após o declínio devido ao nervosismo relacionado à incerteza econômica na Turquia.

Os mercados da Grande China caíram, ficando atrás de seus pares regionais, já que os dados econômicos chineses destacaram a preocupação a respeito de uma guerra comercial global.

3. Home Depot divulga resultados

Com a temporada de resultados chegando ao fim, a Home Depot (NYSE:HD) é um dos últimos nomes notáveis que deverão apresentar resultados do primeiro trimestre antes dos mercados abrirem.

A varejista de melhorias domésticas divulgou lucro por ação de US$ 3,05 com receitas de US$ 30,46 bilhões. Isso se compara às estimativas dos analistas de lucros por ação de US$ 2,84 e de receita de US$ 30,0 bilhões.

As vendas comparáveis cresceram 8,0% no trimestre, acima das expectativas de 6,5%.

Os investidores estarão acompanhando de perto os resultados na busca de comentários sobre a saúde dos mercados imobiliários dos EUA e uma visão geral da confiança do consumidor na economia.

Home Depot dará início a uma semana cheia de balanços de varejistas; resultados de Macy’s (NYSE:M) estão na agenda de quarta-feira, ao passo que Walmart (NYSE:WMT), maior varejista do mundo, deverá apresentar seus números na quinta-feira.

4. Dólar próximo de pico de 13 meses

Saindo do mercado de capitais, o dólar dos EUA estava mais firme, mantendo-se próximo ao seu melhor nível desde junho de 2017.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, avançava 0,1% para 96,23 após ter inicialmente subido a 96,39, máxima de 13 meses.

O iene estava em baixa em relação ao dólar, com o par USD/JPY subindo para 111,00, descolando-se de 110,10, mínima de um mês e meio atingida na segunda-feira.

O euro caía para 1,1395 contra o dólar, ainda próximo de 1,1365, mínima de 13 meses atingida na segunda-feira.

Ainda nos mercados cambiais, a maior parte das moedas de mercados emergentes passava por uma recuperação, com o rand da África do Sul (USD/ZAR) e o rublo da Rússia (USD/RUB) em alta, sintonizados com a lira turca.

5. Bitcoin cai abaixo de US$ 6.000 em meio a operação vendas de criptomoedas

Criptomoedas estavam em baixa, com o bitcoin caindo abaixo de US$ 6.000 pela primeira vez desde junho.

A moeda digital mais valiosa do mundo recuava em torno de 7%, ou US$ 450, para US$ 6.025,70 (BTC/USD) na corretora Bitfinex após ter caído para US$ 5.858,60, nível visto pela última vez em 29 de junho.

Tokens rivais também estavam em baixa.

O Ethereum, segunda maior criptomoeda em termos de capitalização de mercado, recuava quase 20% para US$ 265,58, seu pior nível desde setembro de 2017.

Enquanto isso, o token XRP da Ripple era negociado a US$ 0,26204, queda de 16% no dia, enquanto Litecoin caía 17% para US$ 51,57.

A última derrocada entre as moedas digitais veio em meio à decepção com o adiamento da decisão sobre um fundo negociado em bolsa de bitcoin (ETF) proposto por VanEck e Solid X no início deste mês.