Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta segunda-feira

set 17, 2018

Confira as cinco principais notícias desta segunda-feira, 17 de setembro, sobre os mercados financeiros:

1. Tensão comercial EUA-China: Trump prepara novas tarifas de US$ 200 bilhões a produtos chineses

Uma nova semana começa, e a tensão comercial EUA-China provavelmente continuará sendo um termômetro do ânimo do mercado

O presidente americano Donald Trump deve anunciar hoje as novas tarifas sobre as importações chinesas, de acordo com um alto funcionário do governo.

O nível tarifário provavelmente será de cerca de 10%, segundo o Wall Street Journal, muito abaixo dos 25% que o governo disse estar considerando para essa possível rodada de tarifas.

O WSJ informou mais tarde que a China pode recusar-se a participar nas negociações comerciais propostas com os EUA no final deste mês, se a administração Trump avançar com tarifas adicionais sobre produtos chineses importados, pois Pequim não negociará sob ameaça.

As autoridades também estão considerando os passos de uma possível retaliação, segundo o relatório.

Os temores da guerra comercial sino-americano estão latentes há meses. Nenhum dos lados está mostrando sinais de recuo, alimentando preocupações de que as duas maiores economias do mundo entrem em uma guerra comercial que poderia abalar a economia global.

2. Ações Globais em baixa

Mercados globais de ações operavam em baixa enquanto os investidores se assustavam com as notícias de que Washington deveria anunciar uma nova rodada de tarifas sobre produtos chineses na última escalada de seu conflito comercial.

Na Ásia, mercados encerraram majoritariamente em território negativo, liderados pelas perdas da China. O Shanghai Composite caiu 1,1%, enquanto as ações de menor valor em Shenzhen Composite caíram 1,4%.

O pessimismo foi transferido para a Europa onde quase todas as principais bolsas da região estavam em baixa, com a maioria dos setores no vermelho. A índice pan-regional STOXX 600 caiu 0,3% no pregão do meio da manhã, com os automóveis, mais sensíveis às variações no comércio, e as ações de mineração apresentando o pior desempenho.

Em Wall Street, os futuros sobre índices de ações apontaram para uma abertura em leve baixa.

Às 6h35, O índice blue chip futuros do Dow caía 35 pontos, ou cerca de 0,1%, os futuros do S&P 500 recuavam 4 pontos, ou quase 0,1%, enquanto o índice futuro de tecnologia NASDAQ 100 indicava queda de 12 pontos ou cerca de 0,2%.

Há uma calmaria no final do trimestre nos balanços, mas ainda são esperados de um par de empresas notáveis ​​hoje.

3. Divulgação de resultado da FedEx e Oracle

A FedEx (NYSE:FDX) deve divulgar os resultados do primeiro trimestre fiscal após o fechamento do mercados. De acordo com estimativas, espera-se que a gigante das entregas registre lucro de US$ 3,83 por ação com receita de US$ 16,88 bilhões.

A Oracle (NYSE:IORCL) também deverá divulgar números do primeiro trimestre fiscal após o fechamento da segunda-feira. Analistas de Wall Street esperam lucros por ação de US$ 0,68 com receita de US$ 9,25 bilhões.

4. Dólar cai para o menor nível em seis semanas

Longe das ações, o dólar americanoficava em baixa contra seus principais rivais para começar a semana, com os investidores vendendo o dólar em meio a novos temores sobre a escalada da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais moedas, tinha queda de 0,15% e chegava a 94,35, seu menor nível desde o final de julho.

Contra o iene, o dólar estava um pouco abaixo de 111,95, mas ainda à vista da alta de dois meses de 112,16 de sexta-feira.

O dólar tem visto um aumento na demanda por ser um refúgio seguro diante de uma escalada das tensões comerciais globais entre os EUA. e seus principais parceiros comerciais na crença de que os EUA tem menos a perder com a disputa.

No front de dados, o índice Empire State da atividade industrial deve ser divulgado às 9h30.

No mercado de títulos, os preços do Tesouro foram pouco alterados, com a referência rendimento do título do Tesouro dos EUA com vencimento em 10 anos mantendo-se em 2,995%, enquanto a título com vencimento em 2 anos sensível ao Fed ficava em 2,775%.

5. Conversas sobre o Brexit começam a pegar ritmo

O euro e a libra britânica tiveram um começo positivo na semana, enquanto os mercados aplaudiam os desenvolvimentos encorajadores nos termos da saída da Grã-Bretanha da União Europeia.

O Ieuro subia 0,2%, para 1,1650, em relação ao dólar, não muito longe do topo de três semanas de 1,1721 de sexta-feira.

O Ilibra também estava ligeiramente maior em 1.3095, à vista do pico de sexta-feira de 1.3145, que foi o nível mais forte desde 31 de julho.

A primeira das três cúpulas do Brexit está marcada para a próxima semana, quando os líderes da União Européia esperam fechar um acordo dentro dos próximos dois meses sobre os termos da saída da Grã-Bretanha.

O momento das reuniões coincide com a sugestão do negociador da UE Brexit, Michel Barnier, de que um acordo de saída poderia ser fechado em seis a oito semanas, se os negociadores forem realistas em suas exigências.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, já alertou os rebeldes em seu partido que, a menos que apoiem ​​seu possível acordo Brexit com a UE, eles terão que enfrentar a falta de um acordo.

O Reino Unido deve deixar a UE em 29 de março.