Fique por dentro das 5 principais notícias do mercado desta quinta-feira

jul 19, 2018

Confira as cinco principais notícias desta quinta-feira, 19 de julho, sobre os mercados financeiros:

1. Temores de guerra comercial retornam à linha de frente

Os temores de guerra comercial voltaram à tona depois que a China disse que comentários feitos por um alto funcionário da Casa Branca culpando o presidente chinês Xi Jinping por bloquear o progresso em um acordo para evitar uma guerra comercial foram acusações "chocantes" e "falsas".

Na quarta-feira, Larry Kudlow, que lidera o Conselho Econômico da Casa Branca, disse que acredita que as autoridades chinesas querem um acordo, incluindo o assessor econômico de Xi, Liu He, mas que Xi se recusou a fazer mudanças na transferência de tecnologia e em outras políticas comerciais da China.

Questionada sobre os comentários de Kudlow, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse anteriormente: "Que a relevante autoridade dos Estados Unidos distorça inesperadamente os fatos e faça acusações falsas é algo chocante e além da imaginação."

Os EUA e a China neste mês impuseram tarifas sobre US$ 34 bilhões em importações de cada um em uma disputa crescente que irritou os mercados financeiros.

O presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou outras tarifas, a menos que Pequim concorde em mudar suas práticas de propriedade intelectual e os planos de subsídios industriais de alta tecnologia.

Ao mesmo tempo, a União Europeia está preparando uma lista de contramedidas para potenciais tarifas norte-americanas em carros europeus, disse a comissária de Comércio da União Europeia, Cecilia Malmstrom, acrescentando que espera que uma visita da União Europeia a Washington poderia ajudar a aliviar as tensões.

2. Mercado futuro dos EUA indica abertura em baixa.

O mercado futuro dos EUA apontava para uma abertura em baixa, já que investidores continuavam atentos às recentes disputas comerciais entre os EUA e vários de seus parceiros comerciais.

Às 06h30, o índice blue chip futuros do Dow recuava 38 pontos, ou menos de 0,1%. Os futuros do S&P 500 e os futuros do NASDAQ 100 também indicavam um início pessimista em seus respectivos pregões.

Já na Europa, a maior parte das bolsas do continente negociava em baixa, com diferentes setores majoritariamente em território negativo. Os recursos básicos caíam 1,5% e estavam entre os de pior desempenho nas negociações no meio da manhã.

Mais cedo, bolsas asiáticas fecharam em diferentes direções, com importantes mercados perdendo força após negociarem em alta. O Shanghai composite da China caiu 0,5%, marcando a quinta sessão consecutiva de quedas, enquanto o yuan afundou e chegou à mínima de um ano (USD/CNH).

O movimento de baixa provocou especulações de que os políticos chineses estão permitindo que sua moeda enfraqueça para compensar o impacto das tarifas comerciais dos EUA, tornando suas exportações mais competitivas.

3. A Microsoft está próxima na sequência de resultados do setor de tecnologia

Na sequência dos resultados da Netflix (NASDAQ:NFLX) no início da semana, a Microsoft (NASDAQ:MSFT) é o próximo grande nome do setor de tecnologia a divulgar resultados trimestrais após os mercados fecharem nesta quinta-feira.

Os analistas estão prevendo lucros por ação de US$ 1,08 com receita de US$ 29,21 bilhões. No trimestre do ano anterior, a empresa teve lucros de US$ 0,98 por ação com receita de US$ 24,7 bilhões.

A Microsoft superou as estimativas de lucros em cada um dos últimos 8 trimestres.

As ações subiram cerca de 22% no acumulado do ano, permanecendo um pouco abaixo de seu recorde histórico de US$ 106,50 em 17 de julho.

Além disso, é esperado nesta manhã o balanço da Travelers (NYSE:TRV), constituinte do Dow. Philip Morris (NYSE:PM), Blackstone (NYSE:BX), Domino’s Pizza (NYSE:DPZ), Bank of New York Mellon (NYSE:BK), Fifth Third Bancorp (NASDAQ:FITB), Danaher (NYSE:DHR), Union Pacific (NYSE:UNP) e Nucor (NYSE:NUE) também estão em pauta.

Após o fechamento, resultados de Capital One (NYSE:COF), E-Trade (NASDAQ:ETFC), Skechers (NYSE:SKX) e Intuitive Surgical (NASDAQ:ISRG) estarão em destaque.

Investidores também se concentrarão nas ações da IBM (NYSE:IBM) depois que a empresa superou as expectativas feitas por analistas de lucros do segundo trimestre após o fechamento da quarta-feira.

4. Dólar sobe à máxima de1 ano com apostas de aumento de juros do Fed

Longe de ações, o dólar norte-americano estendia seu rali e chegava à máxima de um ano após comentários agressivos feitos pelo presidente do Federal Reserve, que sublinhou as expectativas de dois aumentos adicionais da taxa pelo banco central este ano.

O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais moedas, tinha alta de 0,4% e chegava a 95,26, seu maior nível desde 14 de julho de 2017.

A demanda pelo dólar continuava a se sustentar depois que o presidente do Fed, Jerome Powell, fez uma avaliação otimista da economia dos EUA durante o depoimento ao Congresso na terça e quarta-feira, além de ter minimizado o impacto da incerteza sobre a política comercial dos EUA sobre as perspectivas de aumentos adicionais.

Enquanto isso, no mercado de títulos, os preços dos títulos do Tesouro dos EUA estavam mais baixos, o que faz com que os rendimentos subam; o rendimento do título do Tesouro dos EUA com vencimento em 10 anos avançava para 2,89%, ao passo que o rendimento do título com vencimento em 2 anos, sensível ao Fed, se aproximava de 2,63%.

Com relação a dados, o calendário econômico traz aos investidores o relatório semanal sobre os pedidos iniciais de seguro-desemprego e a leitura de julho da atividade industrial do Fed de Filadélfia, ambos às 09h30.

5. Cobre e Ouro em baixa com operação de vendas de metais Como Metais Vendem

As cotações do cobre e do ouro caíam para seus níveis mais baixos em cerca de um ano em meio a temores de que uma escalada na disputa comercial entre Washington e Pequim possa afetar a demanda por metais, particularmente se o crescimento chinês for afetado.

Os contratos futuros de cobre caíam quase 3%, e eram negociados a US$ 2,679 por libra, nível não visto desde 14 de julho de 2017.

Níquel, zinco e chumbo também passavam por fortes vendas.

Enquanto isso, entre metais preciosos, o ouro recuava cerca de 1% para US$ 1.217,30 a onça, atingindo o mais fraco em cerca de um ano em seu quinto declínio consecutivo.

Prata, platina e paládio também estavam em baixa pelo menos 1%.

Os preços dos metais também foram atingidos pelo dólar mais forte, o que torna as commodities cotadas na moeda norte-americana mais caras para os compradores estrangeiros.