Estoques de petróleo dos EUA aumentaram 3,22 milhões de barris na semana passada

out 31, 2018

Os estoques de petróleo bruto subiram menos que o esperado na semana passada, informou a Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês) em seu relatório semanal na quarta-feira.

Os dados do EIA mostraram que os estoques de petróleo bruto aumentaram em 3,22 milhões de barris na semana até 26 de outubro.

Isso se compara às projeções de aumento de 4,11 milhões de barris nos estoques após um aumento de 6,35 milhões de barris na semana anterior.

Os futuros negociados em Londres Petróleo bruto subiram 0,16%, para US $ 76,03 por barril, às 11h36 em relação ao último fechamento, comparado aos US$ 75,72 antes do lançamento dos dados.

Os preços brutos nos EUA subiam 0,69%, para US$ 66,89 o barril, em comparação com US$ 66,83 antes da publicação.

O relatório da EIA também mostrou que os estoques de gasolina tiveram redução de 3,16 milhão de barris, em comparação a expectativas um empate de 2,14 milhão de barris, ao passo que os estoques de destilados tiveram redução de 4,05 milhões barris, em comparação com as previsões para uma queda de 1,37 milhões.

O petróleo está caminhando para uma queda mensal de 10% em outubro, seu pior desempenho desde 2016, uma vez que os preços do petróleo foram afetados pelas preocupações com a demanda global em meio a tensões comerciais, juntamente com aumento da oferta e estoques crescentes.

A Arábia Saudita prometeu no início do mês aumentar a produção de petróleo para compensar a queda das exportações iranianas que devem ser causadas pelas. sanções dos EUA que entrão em vigor em 4 de novembro , enquanto a Rússia também disse no sábado que não há razão para o país reduzir seus níveis de produção.

Depois de muitos meses de preocupação com a escassez de oferta antes das sanções contra o Irã, o mercado de petróleo está começando a se preocupar com possíveis excessos de oferta e estoques que estão aumentando em muitas partes do mundo.

O mercado também tem se preocupado com a contínua disputa comercial entre os EUA e a China e seu impacto econômico potencial. A especulação aponta para uma desaceleração na economia global, reduzindo ainda mais a demanda por petróleo.

O diretor executivo da Agência Internacional de Energia, Fatih Birol, alertou na terça-feira que há duas pressões negativas sobre o crescimento da demanda global por petróleo.

“Um é o alto preço do petróleo, e em muitos países eles estão diretamente relacionados aos preços ao consumidor. A segunda é a desaceleração do crescimento econômico global ”, disse Birol, segundo a Reuters.