Depois de início positivo, estatais invertem e passam a ser negociadas em queda

out 29, 2018

Depois de começar o dia com ganhos, as ações das empresas estatais acompanham a tendência do mercado e passam a operar em baixa nesta segunda-feira. Inicialmente, essas companhias mostravam ganhos, após o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, sair vitorioso da disputa para a Presidência da República no domingo, em meio a apostas de que sua equipe econômica adotará uma agenda positiva para o país.

Agora, as ações da Petrobras (SA:PETR4) caem 2,54% a R$ 26,90, depois de registrar um avanço superior a 2%. Já as ON de petroleira recuam 2,47% a R$ 29,26. No caso da Eletrobras (SA:ELET3), depois de ter ganhos de mais de 2%, as PNB recuam 2,12% a R$ 24,45, enquanto as ON caem 2,06% a R$ 22,84, sendo que mais cedo chegaram a saltar quase 3%. A exceção fica para o Banco do Brasil (SA:BBAS3), que segue com valorização de 1,49% a R$ 43,02.

Na primeira entrevista que deu após a eleição de Bolsonaro, o economista Paulo Guedes, indicado para comandar o Ministério da Fazenda na gestão do presidente eleito, disse que o foco do programa do governo será "controlar os gastos", o que inclui a realização de reforma da Previdência, acelerar privatizações e reduzir o tamanho da máquina pública.

As preferenciais da elétrica mineira Cemig (SA:SA:CMIG4) abriram em forte alta, chegando a subir 3,4 por cento para o maior nível desde maio de 2015, reagindo ao resultado eleitoral, com a vitória de Romeu Zema, do Partido Novo, de perfil liberal e favorável à privatização das companhias, para o governo de Minas Gerais. Os papéis, contudo, reverteram os ganhos e operavam em queda de 5,48 por cento. As ações ordinárias da companhia de saneamento do Estado, Copasa (SA:CSMG3), depois de avançarem 1,36 por cento, agora recuam 2,29%.

Sabesp (SA:SBSP3) valorizava-se 2,01 por cento, acompanhando o movimento, após o ex-prefeito João Doria, do PSDB, vencer a disputa para o governo de São Paulo.

Com Reuters.