Com perdas milionárias com greve, frigoríficos também registram perdas expressivas

mai 28, 2018

Investing.com - Os frigoríficos fazem parte de mais um setor que está sendo diretamente afetado com a greve dos caminhoneiros, com boa parta das indústrias processadoras de proteína animal sem funcionar, além dos impactos nos produtores de aves, gado e porcos.

As ações da Marfrig (SA:MRFG3), por exemplo, caem 4,00% a R$ 7,93, enquanto as da Minerva (SA:BEEF3) caem 3,24% a R$ 7,47. Já para a BRF (SA:BRFS3), as perdas são de 3,05% a R$ 21,61. O resultado é menor nos ativos da JBS (SA:JBSS3), que recuam 1,87% a R$ 9,42.

Números da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) apontam que 167 plantas frigoríficas de aves e suínos estão paradas e 64 milhões de aves adultas e pintinhos já morreram. De acordo com a entidade, o impacto na balança comercial já é estimado em US$ 350 milhões

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse nesta segunda-feira que a "greve reivindicatória" dos caminhoneiros foi resolvida no domingo graças às medidas anunciadas pelo presidente Michel Temer para atender demandas da categoria. Em entrevista à rádio CBN, o ministro afirmou que as lideranças do setor sinalizaram em unanimidade o fim do movimento, que entra no seu oitavo dia nesta segunda-feira.

Veja o que foi negociado entre governo e caminhoneiros:

- Redução do preço diesel em R$ 0,46 nas bombas pelo prazo de 60 dias. Depois desse período, o preço do diesel será ajustado mensalmente

- Preço do diesel será reduzido em 10% nas refinarias e ficará fixo por 30 dias. Nesse período, o valor referência será de R$ 2,10 nas refinarias. Os custos da primeira quinzena com a redução, estimados em R$ 350 milhões, serão arcados pela Petrobras (SA:PETR4). As despesas dos 15 dias restantes ficarão com a União como compensação à petrolífera. A cada 30 dias, o valor será reajustado conforme a política de preços da Petrobras e fixado por mais um mês.

- Isenção da cobrança de pedágio dos caminhões que trafegarem com eixo suspenso. A medida vale para todas as rodovias (federais, estaduais e municipais)

- A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) vai contratar caminhoneiros autônomos para atender até 30% da demanda de frete. O governo editará uma medida provisória no prazo de 15 dias.

- Não haverá reoneração da folha de pagamento do setor de transporte rodoviário de cargas

- Será estabelecido frete mínimo rodoviário. Tabela de frete será reeditada em 1º de junho e, a partir daí, ajustada a cada três meses pela ANTT

- Alíquota da Cide será zerada em 2018 sobre o diesel

- Isenção do pedágio para caminhões que circulam vazios (eixo suspenso)

- Ações judiciais contrárias ao movimento serão extintas

- Multas aplicadas aos caminhoneiros em decorrência da paralisação serão negociadas com órgãos de trânsito

- Entidades e governo terão reuniões periódicas a cada 15 dias

- Petrobras irá incentivar que empresas contratadas para transporte dêem oportunidade aos caminhoneiros autônomos, como terceirizados, nas operações de transporte de cargo

- Solicitar à Petrobras que seja observada resolução da ANTT 420, de 2004, sobre renovação da frota nas contratações de transporte rodoviário de carga.

Com Agência Brasil.