CNI/Ibope: Bolsonaro tem 27%; Haddad 21%; Ciro 12%; Bolsonaro perderia no 2o turno

set 26, 2018

Dois dias após divulgar a pesquisa encomendada pela Rede Globo e Estadão, o Ibope publicou na tarde desta quarta-feira os novos números da corrida presidencial, confirmando o cenário de Jair Bolsonaro (PSL) na liderança com 27%, seguido por Fernando Haddad (PT) com 21%. Ciro mantém a terceira posição com 12%, à frente de Alckmin (PSDB) com 8% e Marina (Rede) com 6%.

Em um eventual segundo turno, os dois principais candidatos estariam empatados tecnicamente, mas em posições trocadas com o petista à frente com 42% e 38% para o deputado, no limite da margem de erro.

Ciro é o único que está à frente de Bolsonaro fora da margem de erro em uma disputa de segundo turno, com 44% de intenção de votos contra 35% do deputado.

Já em uma disputa entre Bolsonaro e Marina Silva (Rede), o capitão teria 40%, contra 38% da ex-senadora. Em um embate com o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o tucano aparece na frente, com 40%, contra 38%, mas empatados tecnicamente.

No levantamento de segunda-feira, o candidato do PSL à Presidência, deputado Jair Bolsonaro, apareceu com 28 por cento das intenções de voto, seguido pelo petista Fernando Haddad, que chegou a 22 por cento, que mostrava uma piora no desempenho de Bolsonaro nas simulações de segundo turno.

Eleição deve ter 2o turno

A pesquisa do Ibope mostra que hoje não haveria vitorioso no 1o turno, pois nenhum dos candidatos alcança os 50% +1 de votos válidos. No levantamento divulgado nesta tarde, Bolsonaro possui 33% dos votos válidos contra 25% de Haddad.

Ciro possui 15% dos votos válidos, seguido por 9% de Alckmin e 7% de Marina Silva.

Bolsonaro tem eleitores mais fiéis; Alckmin e Marina, os menos

A pesquisa também perguntou ao eleitor se ele mudaria de voto para impedir que um candidato ganha as eleições. O resultado foi que 28% dos entrevistados confirmaram a possibilidade, avaliando como alta ou muito alta a probabilidade de mudar de voto até o dia 7 de outubro. Na outra ponta, 48% afiram que as chances de mudar de voto são muito baixas ou baixas.

Quando a pergunta foi se o eleitor mudaria de voto para votar no candidato com maior chance de vitória, o resultado foi que apenas 16% dos entrevistados estariam dispostos a mudar seu voto até o dia 16%.

O levantamento mostra também que os eleitores de Geraldo Alckmin (PSDB) e de Ciro Gomes (PDT) são os mais propensos a mudar de voto para evitar que um candidato que não gostam vença a eleição. Segundo a pesquisa, 36% dos eleitores do candidato tucano consideram alta ou muito alta a probabilidade de mudança por esse motivo, enquanto o percentual é de 35% para o pedetista. Em relação aos eleitores de Fernando Haddad (PT), 31% declaram ser alta ou muito alta a chance de troca, parcela que cai para 28% entre os eleitores de Marina Silva (Rede) e para 22% entre os de Jair Bolsonaro (PSL).

Bolsonaro deverá ganhar para 44% dos entrevistados

O líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro, é a principal aposta dos entrevistados para faturar a disputa. Quando perguntados quem deverá conquistar a presidência, 44% indicam o deputado como o mais provável.

Haddad vem atrás com 20%, seguido por 8% no Ciro, 7% de Alckmin e 3% na Marina.

Rejeição

Bolsonaro segue sendo o candidato mais rejeitado, de acordo com a pesquisa. Entre os entrevistados, 44% afirmaram que não votariam nele. Em seguida estão Fernando Haddad (PT), com 27%, e Marina Silva (Rede), também com 27%.
Geraldo Alckmin (PSDB) é rejeitado por 19% dos eleitores e Ciro Gomes (PDT) por 16%.

Cabo Daciolo (Patriota) e Henrique Meirelles (MDB) são rejeitados por 11%, José Maria Eymael (DC), por 10%, Álvaro Dias (Pode), Vera Lucia (PSTU) e Guilherme Boulos (Psol), por 9%, João Amoêdo (Rede), por 8%, João Goulart Filho (PPL), por 7%.

Pesquisa

Esta edição da pesquisa ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios, entre 22 e 24 de setembro. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-04669/2018.