Calendário Econômico - 5 principais eventos desta semana

nov 04, 2018

A política e a retórica comercial podem pairar sobre o mercado na próxima semana, enquanto os investidores aguardam as eleições de meio de mandato, nas quais pesquisas sugerem que o Partido Democrata ganhará o controle da Câmara dos Deputados.

Os republicanos do presidente Donald Trump provavelmente manterão o Senado, mas um Congresso suspenso pode dificultar sua capacidade de aprovar seus planos de impostos e gastos.

O a questão comercial entre EUA e China também deve estar nas manchetes em meio a relatórios conflitantes na semana passada sobre o comércio global.

O presidente Trump disse na sexta-feira que provavelmente fará um acordo com a China sobre o comércio, acrescentando o progresso foi feito para resolver as diferenças entre os dois países. Os comentários de Trump vêm depois que Larry Kudlow, seu principal conselheiro econômico, expressou cautela sobre a possibilidade de um possível acordo de comércio EUA-China.

Os mercados financeiros globais também se concentrarão na reunião do Federal Reserve desta semana. Embora nenhuma mudança na política seja esperada, os investidores estarão à procura de novos sinais do banco central americano em seus planos para o resto do ano e no ano que vem.

O Fed elevou os custos dos empréstimos em setembro pela terceira vez este ano. O sólido crescimento econômico combinado com o aumento da inflação provavelmente manterá o ritmo de um novo aumento em dezembro, apesar da crescente pressão verbal da Casa Branca.

Futuros do fundo do Fed precificam atualmente uma alta na reunião de fim de ano, com uma probabilidade de cerca de 78%, de acordo com o Monitor da Taxa da Reserva Federal do .

Enquanto isso, no calendário econômico, o relatório de outubro sobre os preços ao produtor nos EUA, que devem dar sinais mais claros sobre o ritmo da inflação, serão os maiores dados da semana.

Ainda em relatórios financeiros, cerca de 40 empresas constituintes do S&P 500 deverão divulgar seus resultados financeiros nesta semana, que será a última grande onda da temporada de resultados do terceiro trimestre.

Já na Ásia, a China está preparada para divulgar seus dados sobre o crescimento mensal, que serão atentamente observados. Os investidores vão estudar os dados para ver se o conflito comercial em curso com os EUA teve algum impacto nas exportações e importações em setembro.

Temores relativos à guerra comercial entre EUA e China estão fervendo há meses, com os investidores nervosos com as perspectivas de uma nova escalada nas tensões entre as duas maiores economias do mundo, com impacto no crescimento econômico global.

Antes da próxima semana, a compilou uma lista dos cinco maiores eventos do calendário econômico com maior probabilidade de afetar os mercados.

1. Eleições americanas

O controle de ambas as casas do congresso americano, atualmente dominado por republicanos, e a escolha de 36 governadores estarão em jogo quando os americanos votarem nas eleições de terça-feira.

A maioria das pesquisas de opinião e analistas apartidários mostram que os democratas têm uma forte chance de conseguir os 23 assentos adicionais necessários para a maioria na Câmara dos Deputados, o que eles poderiam usar para lançar investigações sobre a administração de Trump e bloquear sua agenda legislativa.

Os republicanos devem manter o controle do Senado, cujos poderes incluem a confirmação de indicações de Trump para assentos vitalícios na Suprema Corte.

O interesse foi excepcionalmente alto para um ano eleitoral não presidencial, com a votação antecipada correndo bem à frente dos ciclos passados.

Até a noite de sexta-feira, quase 32,4 milhões de pessoas tinham votado antecipadamente, segundo o The Election Project da Universidade da Flórida, que acompanha a participação dos eleitores. Isso representa mais de 50% dos 20,5 milhões de votos iniciais em 2014, a última eleição federal quando a Casa Branca não estava em jogo.

2. Decisão do Federal Reserve sobre a taxa de juros

O Federal Reserve não deve realizar qualquer ação sobre as taxas de juros na conclusão de sua reunião de política monetária de dois dias às 15h00 de quinta-feira, mantendo a faixa de 2,0% -2,25%.

O banco central divulgará sua declaração após a reunião e os investidores buscarão qualquer mudança na visão da instituição sobre inflação e economia.

Os investidores estão preocupados que o aumento dos salários e das pressões inflacionárias levem o Fed a elevar as taxas em um ritmo mais acelerado do que o esperado.

O Departamento de Trabalho acompanhou de perto o relatório mensal de emprego na sexta-feira e ressaltou que o crescimento e um mercado de trabalho são sólidos, com 250.000 empregos adicionados em outubro e os salários registrando seu melhor ganho anual em quase uma década. A taxa de desemprego manteve-se estável em uma mínima de 49 anos de 3,7%.

3. Dados de inflação do preço do produtor

O Departamento de Comércio publicará os números da inflação para o produtor em outubro às 9h30 da próxima sexta-feira.

Os preços do produtor devem ter subido 0,3% no mês passado e 2.6% em relação ao ano anterior, de acordo com estimativas.

Excluindo o custo de alimentos e combustíveis, a inflação dos preços ao produtor deve crescer 2,3% com base de ano a ano, um pouco mais lenta que o aumento de 2,5% registrado em setembro.

Além dos dados do PPI, o calendário econômico, que deve ser bem leve nesta semana, também apresenta o indicador do Institute for Supply Management sobre a atividade econômica não industrial e uma leitura preliminar do índice de percepção do consumidor da Universidade de Michigan.

4. Temporada de resultados começa a desacelerar

Há cerca de 40 empresas constituintes do S&P 500 informando resultados nesta semana em Wall Street, já que a temporada de resultados começa a se acalmar.

Loews (NYSE:L), SeaWorld (NYSE:SEAS), Sysco (NYSE:SYY), Booking (NASDAQ:BKNG), Marriott (NASDAQ:MAR), Avis (NASDAQ:CAR), e Mylan (NASDAQ:MYL) estão na agenda para segunda-feira.

Resultados da CVS Health (NYSE:CVS), Etsy (NASDAQ:ETSY), Eli Lilly (NYSE:LLY), Ralph Lauren (NYSE:RL), Twilio (NYSE:TWLO), Match Group (NASDAQ:MTCH), Papa John's (NASDAQ:PZZA), e Turtle Beach (NASDAQ:HEAR) rão chamar a atenção do mercado na terça-feira.

Square (NYSE:SQ), Qualcomm (NASDAQ:QCOM), Wynn (NASDAQ:WYNN), Roku (NASDAQ:ROKU), Groupon (NASDAQ:GRPN), Michael Kors (NYSE:KORS), Dean Foods (NYSE:DF), and Office Depot (NASDAQ:ODP) divulgam os resultados na quarta-feira.

Na quinta-feira, Disney (NYSE:DIS), Dropbox (NASDAQ:DBX), Trade Desk (NASDAQ:TTD), Activision Blizzard (NASDAQ:ATVI), DR Horton (NYSE:DHI), e AMC Entertainment (NYSE:AMC) relatam os ganhos.

Finalmente, Potbelly (NASDAQ:PBPB), e Enviva (NYSE:EVA) estão entre os poucos relatórios da sexta-feira.

5. Balança comercial da China

A China deve divulgar os números do comércio de outubro na manhã de quinta-feira.

O relatório deve mostrar que o superávit comercial do país aumentou para US$ 36,2 bilhões em relação a US$ 31,7 bilhões no mês passado.

A previsão é de que as exportações tenham subido 12,0% em relação ao ano anterior, mais lento que o aumento de 14,5% em setembro, enquanto as importações deverão aumentar 14,0%.

Dados recentes começaram a mostrar que a economia da China pode estar perdendo força, aumentando preocupações sobre as possíveis conseqüências da disputa comercial EUA-China.

Os EUA cobrou tarifas de mais de metade dos US$ 500 bilhões em importações chinesas, razão pela qual a China retaliou, depois que várias rodadas de negociações não conseguiram resolver as reclamações sobre as políticas industriais chinesas, falta de acesso ao mercado na China e um déficit comercial de US$ 375 bilhões.

Mantenha-se atualizado sobre todos os eventos econômicos desta semana visitando: http://www./economic-calendar/