Cade deve aprovar fusão entre Suzano e Fibria com restrições, diz jornal

ago 24, 2018

A fusão da Suzano (SA:SUZB3) com a Fibria (SA:FIBR3), que ainda precisa ser aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), deve sofrer algumas restrições do órgão. As informações formam publicadas pelo Estado de S. Paulo nesta sexta-feira. Com isso, as ações da Suzano operam em alta de 0,46% a R$ 50,53 e as da Fibria perdem 2,02% a R$ 79,68.

A publicação cita fontes que dão conta que a avaliação inicial é que a operação não é das mais complexas, sendo diferentes de casos que foram reprovados no Cade, como Alesat/Ipiranga e Ultragaz/Liquigás.

A expectativa da área técnica é que o acordo entre as duas companhias deve ser aprovado, mas com algumas restrições. Entre pontos que estão sob análise do órgão antitruste estão atividade florestal, comercialização de madeira e geração e de energia elétrica.

O jornal explica que as restrições que podem ser impostas vão desde impedir o acesso de concorrentes a produtos e clientes até a venda de plantas e outros ativos.

A reportagem apurou que a companhia sustenta que, apesar de se tratar de um negócio de gigantes, ainda há concorrentes de peso no Brasil que vão manter a competição no mercado de celulose. O Cade tem até fevereiro do ano que vem, prazo prorrogável por mais 90 dias, para analisar a fusão.

Mercado

A Mirae Asset destaca que normalmente o mercado de celulose volta a se aquecer a partir de setembro, quando termina o período de férias no hemisfério norte. Mesmo neste cenário o preço da celulose se manteve estável neste ano, considerando uma relação entre demanda e procura ainda muito estreita, abrindo espaço para aumento os preços dos produtos.