BRF avalia também a venda de ativos para superar alto endividamento

jun 27, 2018

Investing.com - Além de trabalhar com a possibilidade de aumento de capital, a BRF (SA:BRFS3) também deve retomar a estratégia de venda de ativos para enfrentar os graves problemas enfrentados com a paralisação de algumas de suas unidades. As informações constam na coluna do Broad, publicada nesta quarta-feira pelo Estadão.

A operação de aumento de capital, de acordo com a publicação, deve ser de até R$ 4 bilhões, ainda é vista com ceticismo por alguns dos acionistas, ainda mais em um momento de baixo preço das ações na bolsa. Mesmo assim, um grupo defende que o presidente Pedro Parente, tem que agir rapidamente.

A coluna lembra que a BRF já preparava a venda de alguns de seus frigoríficos para um grande grupo chinês. No entanto, com a chegada de Parente, o negócio foi interrompido. Além de ativos no Brasil, algumas unidades da Argentina também podem ser negociadas.

Apesar das notícias, a BRF respondeu à coluna que sua posição de caixa é robusta, somando R$ 7,3 bilhões até o final de março, e que, portanto, não há necessidade de um aumento de capital. Entretanto, no mesmo período, a dívida líquida da BRF somava R$ 14 bilhões, 5% a mais do que no fim de 2017.