BB-BI destaca avanço nas exportações de carne bovina em agosto

set 12, 2018

O Banco do Brasil (SA:BBAS3) Investimentos (BB-BI) destaca, em análise enviada a clientes nesta quarta-feira, que o mês de agosto foi positivo com tendência de alta para as exportações de carne bovina. Esse foi o segundo mês consecutivo de crescimento na comparação mensal e também anual.

No período, a alta foi de 17% na comparação anual em volume, o que compensou a redução de 4%, também na base anual, dos preços médios em dólar. Com isso, as receitas foram de US$ 590 milhões, 13% acima do registrado no mesmo mês do ano passado.

Apesar disso, com as restrições impostas pela União Europeia e pela Rússia às exportações, os volumes de aves e suínos apresentaram quedas respectivas de 4% e 7% na base anual. Porém, o BB-BI destaca que a avicultura foi a única entre as proteínas animal a relatar recuperação dos preços médios em dólar, na base mensal.

Com isso, com a alta de 3% no preço médio, com a alta do dólar, as margens dos exportadores de aves foram beneficiadas, o que pode compensar parcialmente os custos mais elevados, na visão dos analistas do banco.

Para o BB-BI, embora seja esperada uma recuperação gradual no segundo semestre, com as iniciativas das empresas em ajustar a oferta, é possível que as indústrias de aves e suínos ainda enfrentem um cenário difícil.

Na opinião dos analistas, questões comerciais as restrições comerciais da EU e Rússia, medidas antidumping da China e exigências mais rigorosas da Arábia Saudita, podem continuar a limitar os volumes exportados.

O banco também espera uma certa pressão devido ao maior preço do milho, que reverteu a tendência do mês passado e teve alta de 11% na base mensal e 54% na anual. O movimento de preços vem também dos maiores custos de frete e a valorização do dólar que estimula a competitividade do Brasil e eleva os preços.

Apesar disso, os analistas se mostram otimistas em relação à indústria de carne bovina. Além da expectativa animadora para as exportações, o BB-BI vê uma reação positiva de preços no mercado interno, o que pode compensar parcialmente os preços mais altos do gado que permaneceram em trajetória ascendente.