Após queda de 10,6% na produção industrial, Itaú projeta alta de 10,9% em junho

jul 04, 2018

Investing.com - O Itaú Unibanco (SA:ITUB4) publicou nesta quarta-feira uma análise do resultado da produção industrial brasileira de maio, que caiu 10,6% na comparação com o mês anterior. Apear do resultado negativo, os números foram melhores do que a mediana das expectativas (-13.2%) e da aposta do banco (-15,2%). A projeção preliminar para a produção industrial em junho é de alta de 10,9%, consistente com normalização após o choque.

Já comparando os números com os dados do mesmo mês do ano passado, a produção industrial teve queda de 6,7%. O banco destaca que aforte retração em maio foi consequência da paralisação dos caminheiros, que impactou as cadeias de produção e suprimento nas duas últimas semanas do mês.

Na divisão por categorias, as perdas foram generalizada, com a produção de bens de consumo duráveis apresentando a maior retração na comparação mensal dessazonalizada (-27,4%). Já bens de capital, bens de consumo semiduráveis e não duráveis e bens intermediários recuaram 18,3%, 12,2% e 5,2%, respectivamente.

Pela ótica da atividade econômica, a indústria de transformação recuou 12,2% no mês, enquanto a indústria extrativa (menos impactada pela paralisação dos caminhoneiros) avançou 2,3%.

O banco destaca que os dois componentes mais associados ao investimento apresentaram forte retração. Enquanto a produção de bens de capital recou 18,3%, a produção de insumos típicos da construção civil retraiu 11,3%.

A análise do Itaú mostra que os primeiros indicadores coincidentes (confiança da indústria, utilização da capacidade instalada, dados semanais de comércio exterior e consumo de energia, licenciamento de veículos, entre outros) sinalizam alta de 10,9% dessazonalizada em junho (avanço de 0,9% na comparação anual). Resultado que é uma consequência da normalização na produção industrial, sem compensação do que foi deixado de produzir em maio.