Após início negativo, BRF avança com layoff e plano de venda de ativos no exterior

jul 11, 2018

As ações da BRF (SA:BRFS3) operam com valorização de 0,95% a R$ 23,29, depois de um início de jornada na qual chegou a liderar as perdas do Ibovespa com queda superior a 3%. O mercado segue atento aos passos que a companhia dá em seu processo de reestruturação após a grave crise dos últimos anos.

Ontem, empregados da empresa de alimentos aprovaram a suspensão de contratos de trabalho da maior parte da fábrica da companhia em Chapecó (SC) por cinco meses, informou o sindicato local em comunicado.

Com o layoff, os trabalhadores receberão uma bolsa-auxílio no valor de 80 por cento do salário paga pelo Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), informou o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Carnes e Derivados de Chapecó (Sitracarnes).

A entidade não divulgou o número de trabalhadores atingidos pelo layoff, mas a BRF informou que a medida envolve 1.400 funcionários da linha que fabrica produtos de carne de frango.

Além disso, a BRF continua com o processo de contratação dos bancos de investimentos que serão responsáveis pela venda de ativos. De acordo com a Coluna Broad, do Estadão, a companhia não irá realizar um processo formal com envio de chamados ou solicitação de propostas.

De acordo com a publicação, a BRF está solicitando que as instituições financeiras apresentem propostas comerciais para a venda de ativos específicos. Dessa forma, alguns dos bancos devem apresentar sugestão para a venda de ativos na Europa, outros para a Argentina e ainda outros para a Tailândia.

A processadora de alimentos espera que três bancos de investimentos sejam contratados para o assessoramento dos desinvestimentos. O objetivo da BRF é levantar R$ 5 bilhões com a venda desses ativos, reduzindo a alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda para 4,35 vezes até o fim deste ano – no fim do primeiro trimestre, estava em 4,44 vezes.

Com Reuters.