Após explosão em fábrica em Minas, Usiminas eleva compra de placas de aço

set 20, 2018

No começo de agosto, uma explosão no gasômetro da unidade de Ipatinga (MG) da Usiminas (SA:USIM5), obrigou a siderúrgica a interromper a produção na planta por alguns dias. O incidente deixou dezenas de feridos e causou outros prejuízos para a companhia. Além disso, para retomar a produção, foi necessária a aquisição de 35 mil toneladas adicionais de placas de aço. O prejuízo foi estimado em US$ 19 milhões. As informações são da Coluna do Broad.

A Usiminas informou cinco dias depois que retomou a atividade no alto-forno 3 e de laminadores de chapas grossas e tiras a quente da usina em Ipatinga (MG), que estavam paralisados desde a explosão em um gasômetro que deixou 34 pessoas feridas.

A atividade primária da planta de Cubatão (SP) da siderúrgica mineira está paralisada há mais de dois anos. Com isso, a companhia está comprando as placas de terceiros, como a Ternium e a Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP).

No balanço do segundo trimestre, a Usiminas informou que no período foram processadas 357 mil placas adquiridas.

Nos últimos dias, as ações da Usiminas, bem como a das demais siderúrgicas e da Vale (SA:VALE3), têm apresentado valorização, em um cenário favorecido pela cena externa e a desvalorização do real. Junto com a CSN (SA:CSNA3), a companhia já anunciou um novo reajuste médio de 5% para seus produtos, que passam a valer a partir de outubro.