Ações - Mercado futuro dos EUA de volta ao modo de rali; petróleo sobe 2%

mai 09, 2018

Investing.com - O mercado futuro dos EUA apontava para uma abertura em alta nesta quarta-feira, já que investidores continuam a assimilar a decisão do presidente Donald Trump de se retirar do acordo nuclear iraniano e impor sanções ao país, enquanto aguardam mais relatórios de resultados e dados de inflação.

O blue chip futuros do Dow ganhava 112 pontos, ou 0,46%, às 07h48, os futuros do S&P 500 subiam 11 pontos, ou 0,39%, enquanto o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 tinha alta de 19 pontos ou 0,27%.

Em um discurso televisionado na terça-feira, Trump disse que os Estados Unidos se retirariam do acordo internacional de 2015, concebido para negar a Teerã a capacidade de construir armas nucleares, e também restabelecer "o mais alto nível de sanções econômicas" contra Irã.

As bolsas tiveram um fechamento fraco no dia anterior em reação às notícias, mas o apetite ao risco parecia estar de volta e com força nesta quarta-feira.

A cotação do petróleo subia mais de 2% na quarta-feira devido a apostas de que o retorno das sanções iria reduzir ainda mais a oferta global, uma vez que tornaria mais difícil para o Irã exportar petróleo.

Contratos futuros de petróleo bruto nos EUA saltavam 2,49%, atingindo US$ 70,78 às 07h49, enquanto o petróleo Brent tinha alta de 2,43%, com o barril negociado a US$ 76,67.

Este rali ocorria antes de novos dados semanais sobre os estoques comerciais de petróleo bruto dos EUA para avaliar a força da demanda do maior consumidor de petróleo do mundo e a rapidez com que os níveis de produção irão continuar a subir.

A Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês), divulgará seu relatório semanal oficial dos estoques de petróleo referente à semana encerrada em 4 de maio às 11h30 em meio a expectativas de redução em torno de 719.000 barris.

Após os mercados fecharem na terça-feira, o Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) afirmou que os estoques de petróleo dos EUA tiveram redução de quase 1,9 milhão de barris na semana passada.

Enquanto isso, os investidores estavam preparados para precificar os balanços corporativos, já que a temporada de divulgações de resultados do primeiro trimestre está se acalmando, com mais de 440 das empresas constituintes do S&P 500 já tendo divulgado números.

Após o fechamento de terça-feira, a Disney (NYSE:DIS) divulgou um aumento de 21% nas receitas graças principalmente ao lançamento do Black Panther e retornos mais altos de seus parques temáticos. No entanto, os investidores pareciam se concentrar em uma queda de 6% no lucro de suas redes de comunicação, uma vez que a ESPN continuou a perder assinantes. As ações recuavam em torno de 0,3% antes do pregão desta quarta-feira, reduzindo as perdas prévias de mais de 1%.

Em uma notícia melhor, ações de TripAdvisor (NASDAQ:TRIP) subiam cerca de 20% antes do pregão depois que o site de viagens e restaurantes superou o consenso das estimativas.

São esperados relatórios de empresas notáveis nesta quarta-feira incluindo Twenty-First Century Fox (NASDAQ:FOX), Mylan (NASDAQ:MYL), Groupon (NASDAQ:GRPN), Office Depot (NASDAQ:ODP), Roku (NASDAQ:ROKU), e IAC/InterActive (NASDAQ:IAC).

Com relação à economia, o Departamento de Comércio irá divulgar os números da inflação dos preços ao produtor em abril às 09h30. Analistas do mercado esperam que os preços ao produtor tenham subido 0,2%, enfraquecendo a partir do aumento de 0,3% em março, ao passo que o núcleo do IPP tem projeções de ter subido 0,2%, em queda ao se comparar com 0,3% no mês anterior.

Esta leitura da inflação será divulgada antes do índice de preços ao consumidor, que será conhecido na quinta-feira.

Antes dos dados, o rendimento nos títulos do Tesouro norte-americano com vencimento em 10 anos subia acima do importante nível psicológico de 3% e chegava a 3,014%, nível mais alto em duas semanas.

Enquanto isso, o dólar reduzia os ganhos prévios após ter atingido o pico de 93,26. Às 07h50 desta quarta-feira, o índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, permanecia inalterado em 92,94.

Já na Europa, as principais bolsas do continente estavam em ligeira alta, sustentadas pela força das ações do setor de energia.

Mais cedo, na Ásia, os mercados na região fecharam em diferentes direções, acompanhando a direção nada inspiradora de Wall Street durante a noite.