Ações - Bolsas dos EUA em alta com investidores deixando guerra comercial de lado

jun 22, 2018

Investing.com - O mercado futuro dos EUA estava em alta nesta sexta-feira, já que investidores deixavam de lado os temores relativos à guerra comercial.

Os futuros do S&P 500 avançavam 12 pontos, ou 0,45%, para 2.765,0 pontos às 07h45 enquanto os futuros do Dow subiam 107 pontos, ou 0,44%, para 24.579,0 pontos. O índice de tecnologia de futuros do NASDAQ 100 avançava 26 pontos ou 0,37% para 7.264,50 pontos.

Enquanto as bolsas estivessem em alta, elas ainda estavam no caminho de sua pior perda semanal em três meses, já que as tensões comerciais entre os EUA e seus aliados persistiam. A Índia se uniu à China e à União Europeia em retaliação às tarifas de aço e alumínio, ao passo que a União Europeia impôs tarifas sobre cerca de US$ 3,4 bilhões de produtos importados dos EUA na sexta-feira, incluindo motocicletas, suco de laranja e molho de cranberry.

A empresa de bebidas Coca-Cola Company (NYSE:KO) estava entre as empresas com maiores ganhos antes do pregão, subindo 1,14% enquanto Netflix (NASDAQ:NFLX) estava em alta de 1,10% e Intel (NASDAQ:INTC) avançava 0,98%.

Enquanto isso, a Tesla (NASDAQ:TSLA) caía 0,72% após anunciar que fecharia algumas instalações solares em nove estados dos EUA. General Electric (NYSE:GE) estava em baixa de 0,39% ao passo que Microsoft (NASDAQ:MSFT) recuava 0,04%.

Quanto a notícias econômicas, o Markit deve divulgar seus índices sobre a atividade no setor industrial e no setor de serviços às 10h45.

Na Europa, as bolsas estavam em alta. O DAX da Alemanha subia 36 pontos ou 0,29%, o CAC 40 da França avançava 36 pontos ou 0,69% e o FTSE 100 de Londres tinha alta de 47 pontos ou 0,63%. Enquanto isso, o índice pan-europeu EURO STOXX 50 tinha alta de 21 pontos ou 0,64% enquanto o IBEX 35 da Espanha avançava 73 pontos ou 0,76%.

Com relação a commodities, os contratos futuros de ouro permaneciam estáveis em US$ 1.270,50 a onça troy, ao passo que contratos futuros de petróleo dos EUA avançavam 0,99% para US$ 66,19 o barril. O índice dólar, que mede a força da moeda frente a uma cesta ponderada de seis principais divisas, recuava 0,25% para 94,30.