Ações - Bank of America, Boeing, UPS e JB Hunt Transport em alta antes do pregão

jul 16, 2018

Ações em foco antes do pregão desta segunda-feira:

• Ações do Bank of America (NYSE:BAC) tinham ganhos de 1,33% às 09h19, já que a instituição registrou um salto de 43% nos lucros diluídos do segundo trimestre por ação para US$ 0,63, acima das expectativas de US$ 0,57.

• Ações da Boeing (NYSE:BA) subiam 0,62% uma vez que a empresa anunciou que tinha um pedido de 14 aviões de carga por um valor de US$ 4,7 bilhões no primeiro dia do Farnborough Airshow.

• Ações da JB Hunt Transport Services (NASDAQ:JBHT) subiam 6,71% depois que a empresa divulgou receita e lucro acima do esperado.

• Ações da BlackRock (NYSE:BLK) avançavam 0,05% uma vez que a empresa divulgou resultados do segundo trimestre que superaram expectativas tanto em vendas quanto em lucros, mas o presidente da empresa e executivo-chefe, Laurence Fink, reconheceu uma “desaceleração da indústria em todo o fluxo associada à incerteza dos investidores no atual ambiente de mercado”.

• Ações da General Electric (NYSE:GE) subiam 0,43%, já que David Joyce, chefe de sua unidade de aviação, disse que espera obter US$ 15 bilhões em contratos no Farnborough Airshow, conforme relatado pela Marketwatch.

• A Keurig Dr Pepper (NYSE:KDP) subia 2,06% depois que o Bank of America Merrill Lynch (NYSE: BAC) retomou a cobertura com uma recomendação de compra.

• Ações da United Parcel Service (NYSE:UPS) tinham ganhos de 1,12% depois que o UBS atualizou sua recomendação para comprar a partir de neutro, enquanto rebaixou a rival FedEx (NYSE:FDX) para neutra a partir de compra. Ações da FedEx estavam em baixa de 0,61%.

• Ações do Goldman Sachs (NYSE: GS) avançavam 0,26% uma vez que o New York Times informou que a empresa provavelmente nomearia seu atual presidente, David Solomon, como seu próximo executivo-chefe no início desta semana.

• Ações da Lockheed Martin (NYSE:LMT) tinham ganhos de 0,79% após o Pentágono anunciar um “acordo de aperto de mão” para as compras do próximo lote de jatos de combate F-35. De acordo com o The Wall Street Journal, o contrato reservaria a maior parte dos 141 jatos, que deverão valer mais de US$ 12 bilhões no terceiro trimestre.